PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
4 meses

Oposição e evangélicos apoiam saída de Milton Ribeiro do MEC; veja reações

17.set.22 - Milton Ribeiro em evento do MEC - Catarina Chaves/MEC
17.set.22 - Milton Ribeiro em evento do MEC Imagem: Catarina Chaves/MEC

Do UOL, em São Paulo

28/03/2022 17h29Atualizada em 28/03/2022 20h53

Após a revelação do caso dos 'pastores lobistas' em supostos direcionamentos de verbas no Ministério da Educação, o chefe da pasta, Milton Ribeiro, pediu demissão hoje. A saída foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial da União por volta das 16h40, e gerou repercussão entre os políticos.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede) comentou que agora a pasta terá seu 5º ministro. Para ele, isso prova que "a destruição da Educação é um projeto deles".

"Uma vitória dos estudantes, dos profissionais da educação e de toda a sociedade civil que acompanha, fiscaliza e cobra o uso correto dos recursos públicos", escreveu.

O parlamentar também mandou um recado a Bolsonaro e Milton Ribeiro. Segundo Randolfe, a saída do cargo não impedirá as investigações: "a saída do Ministro da Educação não será aceita como tentativa de livramento das responsabilizações cabíveis".

A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) comentou que Ribeiro deixa o comando da Educação "deixando um rastro de incompetência".

A também deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP) afirmou que mesmo com a saída de Ribeiro, "a sangria não acaba".

A deputada federal pela Bahia, Alice Portugal (PCdoB), lembrou que a saída de Milton Ribeiro já é a quarta ao longo dos mais de três anos de governo Jair Bolsonaro.

Alessandro Molon (PSB), deputado federal pelo Rio de Janeiro, também recordou que Ribeiro teria inferido no Enem durante a gestão a frente da pasta.

Frente Parlamentar da Educação apoia saída de ministro

Presidente da Frente Parlamentar da Educação, o deputado federal Professor Israel (Batista (PV-DF), disse que não acredita que Bolsonaro irá escolher "algo melhor para o comando da pasta".

"Já entendemos as articulações e o modus operandi no MEC, e sabemos que não virá algo melhor para o comando da pasta. Sem dúvida, a saída é um respiro e um sinal de vitória não só da bancada da educação no Congresso, mas da sociedade civil estarrecida com as denúncias dos últimos dias", declarou.

Marco Feliciano agradece Milton Ribeiro

Já o deputado federal bolsonarista Marco Feliciano (PL-SP) agradeceu o agora ex-ministro pelo o que classificou como "gesto de coragem" ao pedir a exoneração da pasta.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no texto inicial, o deputado federal Professor Israel Batista (PV-DF) não é membro da Bancada Evangélica, mas presidente da Frente Parlamentar da Educação. O texto foi corrigido.

Política