PUBLICIDADE
Topo

Política

Vereadora de Vitória é insultada em meio a discussão sobre aborto: 'Mimada'

Pedro Paulo Furlan

Do UOL, em São Paulo

23/06/2022 16h14

Durante discussão acalorada, ontem na Câmara de Vitória, com os vereadores Davi Esmael (PSD) e Luiz Emanuel (Cidadania) sobre o caso de estupro e gravidez de uma menina de 11 anos, a vereadora Karla Coser (PT) foi insultada e chamada de "mimada", além de ser criticada por sua posição. No plenário, ambos os vereadores homens afirmaram que Coser "não tem noção" e tenta incentivar o aborto.

A discussão começou com Emanuel perguntando se o Estado era quem cuidaria da saúde mental da menina de 11 anos, vítima de um estupro que a engravidou, que "teria que viver" com o fato de ter feito um aborto - ao qual, Karla Coser respondeu: "Sim, porque a menina disse que não quer a criança. Porque vocês não são mulheres, vocês não tem noção".

Depois isso, o vereador do Cidadania afirmou que Coser "não tem noção". Ao mesmo tempo, Davi Esmael, que estava discursando, também protestou contra a fala da vereadora.

"Quem não tem noção aqui é você, vereadora, você não tem 60 anos de idade. Quem é você? A vida para você não serve para nada", disse Emanuel.

"E você não é o bebê para abrir tua boca e falar em defesa daquele que não tem voz", afirmou Esmael, que defendeu que a menina não poderia abortar.

Coser, por sua vez, defende que a criança - de Santa Catarina - possa abortar, mesmo que a gestação esteja com 23 semanas. Após afirmar que tem legitimidade para expor suas posições, os vereadores responderam novamente, com insultos e acusações sobre o partido da vereadora.

"Não me fale que eu não tenho noção, quem não tem noção é você. Você é uma menina mimada, isso que você é", atacou o vereador do Cidadania.

Em seu perfil no Twitter, a vereadora se manifestou sobre a discussão, apontando que foi desrespeitada e que estava usando seu espaço na Câmara para "denunciar os abusos e violências que acontecem com as mulheres".

"Aos insultos e desrespeitos que escutei hoje só tenho uma coisa a dizer: tô muito distante de me fazer de coitadinha. Não sou uma coitada e NUNCA vou deixar de usar o espaço que tenho em plenário pra denunciar os abusos e violências que acontecem com as mulheres", afirmou. "Quando me chamam de mimada eu já sei que é porque não têm NENHUM argumento para contrapor aos meus. É assim. Homens costumam mesmo fazer isso. E eu seguirei firme, de cabeça erguida sabendo do tamanho da minha responsabilidade em construir uma sociedade mais justa paras mulheres".

Mais tarde na sessão, Esmael voltou a criticar Coser nesse assunto

Ainda discutindo sobre o caso dessa menina, o vereador reconheceu o trauma de um estupro, no entanto, reiterou sua posição: "Trauma que não será resolvido pelo aborto, será mais uma violência - assassinato nesse caso". No fundo, é possível ouvir a vereadora tentando colocar seu nome na chamada para falar.

"Você é uma mulher que se faz frágil, que se faz de coitada nesse espaço de plenário, você é uma mulher cheia de instrução - da melhor possível na cidade de Vitória, onde eu estudei. Não venha clamar, se vitimizar, se achar pequena diante de um parlamento, por eu ser homem e você mulher, porque eu sou pai e você não é mãe", disse o vereador.

O UOL entrou em contato com as equipes de Esmael, Emanuel e Coser. A nota será atualizada em caso de manifestação.

Política