Ex-comandante da PMDF preso pelo 8/1 vai para hospital após passar mal

O coronel Jorge Eduardo Naime, ex-comandante de Operações da PM do Distrito Federal, foi levado a um hospital no fim da noite de ontem (4) após passar mal. Ele já retornou para a Academia Policial, onde está preso.

O que aconteceu

A esposa de Naime publicou que o marido tinha "fortes dores no peito" quando foi atendido, e deu a entender que o quadro de saúde do ex-comandante se agravou nos últimos dias.

A Polícia Militar do DF confirmou a internação e disse que o coronel já retornou para a prisão após atendimento médico.

Um novo habeas corpus em favor de Naime foi impetrado no Supremo no dia 1º de dezembro. O processo foi distribuído para o ministro Gilmar Mendes, mas ainda não há data para análise do recurso. A defesa pede pela revogação da prisão preventiva e sua substituição por medidas cautelares.

A defesa argumenta existir "tratamento desigual" na preventiva de Naime, já que ele está preso há mais de 300 dias —"o militar preso há mais tempo"—, e é o "único no complexo prisional da Papuda". Os advogados também dizem que o coronel já apresentava sinais de exaustão antes do 8 de Janeiro, e que teve a saúde agravada na prisão.

Preso por omissão no 8 de janeiro

O coronel Naime foi denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) por omissão no 8 de Janeiro. A defesa rebate, porém, dizendo que Naime estava de licença no dia e que não tinha conhecimento sobre o planejamento dos atos golpistas que viriam a acontecer nas sedes dos Três Poderes.

Na última sexta-feira, foi diagnosticado com tromboflebite aguda na veia cefálica. Como as dores evoluíram, há um risco grande do trombo ter deslocado e [há] ameaça de embolia. Socorro.
Publicação de Mariana Adôrno Naime, esposa do coronel Naime

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes