Topo

Padre é contaminado por ebola no Congo

AFP
Ao menos 27 pessoas já morreram da doença no país Imagem: AFP

Em Mbandaka

24/05/2018 22h13

Um sacerdote católico foi colocado em quarentena após ser contaminado pelo vírus ebola em Mbandaka, uma cidade a noroeste da República Democrática do Congo, informou uma fonte médica nesta quinta-feira (24).

"Colocamos em quarentena um sacerdote da diocese de Mbandaka-Bikoro que deu positivo no teste" do vírus ebola, declarou à AFP uma fonte médica que pediu anonimato, confirmando uma informação que estava circulando nas redes sociais.

Por enquanto, a AFP não conseguiu contato com as autoridades religiosas.

Nesta quinta-feira à noite, não era possível determinar se o caso já estava contabilizado no balanço oficial ou não.

Leia também: 

Na quarta-feira, as autoridades congolesas pediram prudência com relação às informações deste novo surto de ebola no país africano desde 1976, insistindo que o Ministério da Saúde é o único habilitado para fazer comunicados sobre a epidemia.

A epidemia de ebola foi declarada em 8 de maio em Bikoro, cidade de 200 mil habitantes situada a noroeste da RDC. O vírus matou 27 pessoas entre os 58 casos registrados, segundo o último balanço da OMS.

O Unicef, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, assegurou nesta quinta-feira que se comprometia a lutar nas escolas contra a propagação da epidemia.

Uma criança está entre as 27 vítimas fatais.

O Unicef trabalha com as escolas para que, em caso de contaminação de um estudante, este seja tratado rapidamente, declarou à AFP seu representante na RDC, Gianfranco Rotigliano.

Além disso, Rotigliano pediu à população para colaborar com as autoridades de saúde para combater a epidemia.

"As populações têm que colaborar, e não pensar que o ebola vem da bruxaria, é uma doença grave, mas também é uma doença que pode ser superada, da qual você pode ser curado", insistiu.