PUBLICIDADE
Topo

Suspeito de ter ebola foi levado fora de bolha pois estava bem, diz Chioro

Bruna Borges

Do UOL, em Brasília

10/10/2014 12h43

O ministro Arthur Chioro (Saúde) informou nesta sexta-feira (10) que o paciente suspeito de ter sido contaminado com o vírus ebola foi transportado de Cascavel (PR), onde procurou ajuda médica na quinta-feira, para o Rio de Janeiro, onde está sendo tratado, fora da bolha de isolamento, pois estava bem.

“Ele foi transferido utilizando o kit de proteção. Se ele estivesse com vômito e diarreia, não poderia usar o kit, teria de ser transferido na bolha. Se fosse o caso, a aeronave já buscaria e transferiria na bolha. Como apresentava boas condições clínicas, foi transferido com o equipamento de proteção para proteger a tripulação”, declarou o ministro.

A suspeita de contaminação do vírus foi identificada ontem em Cascavel (PR). Souleymane Bah, 47, da Guiné, informou ter tido febre alta entre quarta-feira (8) e quinta-feira (9). Ele estava em bom estado geral e está sendo mantido em isolamento total para observação.  É o primeiro caso suspeito no país desde que o surto da doença se espalhou pela África. Guiné é um dos principais países com casos de contaminação pelo vírus.

Ministro da Saúde diz que situação está sob controle

O Ministério da Saúde trata o caso como suspeita e aguarda o resultado do exame para confirmar ou não se o paciente foi contaminado com vírus. O sangue do suspeito foi colhido nesta manhã no Rio de Janeiro. O material será analisado no Pará em um laboratório especializado do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas. O resultado do caso sairá em até 24 horas e repetido após 48 horas.

O Ministério da Saúde informou que 64 pessoas tiveram contato com o paciente e três delas tiveram contato direto. O ministro minimizou as chances de contaminação dessas pessoas.

“Em relação aos cuidados de transferência dele, da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) ele foi para o isolamento. Ele não tinha diarreia, não tinha vômito, não tinha sangue nem hemorragia, então isso naturalmente faz com que o grau de possibilidade de contato com a equipe seja menor”, informou Chioro.

O paciente suspeito de ter sido contaminado com o vírus ebola não apresentava febre nem outros sintomas da doença quando procurou atendimento médico, mas relatou histórico de febre no dia anterior. Para o ministro, é pouco provável que ele esteja contaminado com o vírus.

Durante entrevista à imprensa, Chioro afirmou repetidamente que a “situação está sob controle”. “Todos os procedimentos de segurança foram executados com êxito", declarou.

De acordo com o ministro, como o paciente apresentou febre dentro de um período de incubação do vírus, que é de 21 dias, o caso se tornou suspeito. O tempo é contado a partir do último dia que Bah esteve na Guiné e pode ter tido contato com o vírus. Ele saiu em 18 de setembro da Guiné e chegou a São Paulo, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em 19 de setembro, com uma escala no Marrocos. O paciente informou o quadro clínico de febre às 17h45 de ontem em Cascavel.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/leia-mais-sobre-o-ebola-1406136364578.vm')

Bah é solteiro e não há informações sobre sua família na Guiné ou se ele tem visto para permanecer no país. De acordo com Chioro, o paciente se declara refugiado.

Ainda na noite de ontem, Bah foi encaminhado para o Rio de Janeiro em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) para realizar tratamento no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, na zona norte da cidade. Ao chegar ao Rio, o paciente não passou pelas áreas comuns do aeroporto.

A transferência do paciente exigiu uma série de medidas que fazem parte de um protocolo internacional usado em casos suspeitos de ebola. A equipe responsável pela transferência de Bah usou roupas especiais para evitar uma possível contaminação. O paciente também vestiu roupas especiais.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/saiba-mais-sobre-ebola-1408478165378.vm')