Fiocruz já soltou 200 mil mosquitos antidengue no Rio; saiba como eles agem

Gustavo Maia

Do UOL, no Rio

Imagine soltar, de propósito, 200 mil mosquitos transmissores da dengue em um bairro do Rio de Janeiro. E com o consentimento dos moradores. Tem como dar certo?

O que parece, no mínimo, estranho, na verdade é parte de um projeto internacional, desenvolvido no Brasil pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) desde 2012, que tem como maior objetivo justamente controlar a doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo e tem deixado o Estado de São Paulo em alerta.

Os primeiros testes de campo do projeto "Eliminar a Dengue: Desafio Brasil" foram iniciados em 24 de setembro do ano passado. A cada semana, até o fim de janeiro deste ano, foram lançados em média 10 mil mosquitos Aedes aegypti no bairro de Tubiacanga, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio.

A justificativa para essa iniciativa inusitada se encontra dentro dos tão temidos insetos. A partir de uma técnica de microinjeção de embriões, desenvolvida na Austrália e testada com sucesso, uma cepa da bactéria Wolbachia, originária da mosca-das-frutas, a Drosophila melanogaster, foi introduzida nos mosquitos. As razões: a bactéria bloqueia o vírus e impede a transmissão da dengue, além de reduzir a longevidade do Aedes aegypti.

Presente naturalmente em mais de 60% dos insetos no mundo, a Wolbachia não oferece qualquer risco para a saúde humana ou para o ambiente e é encontrada nas células de moscas, borboletas, mariposas, entre outros artrópodes e nematoides.

A bactéria se espalha na medida em que os mosquitos se reproduzem, e seus descendentes já nascem com a Wolbachia. Por isso, a ideia de lançá-los na natureza, inicialmente em áreas de estudo.

"Não se trata de bactéria ou mosquito transgênico. Nossa estratégia é natural, não tem riscos e ainda é autossustentável", defende o pesquisador Rafael Freitas, coordenador da equipe de entomologia (ciência que estuda os insetos) do projeto. Ele cita a experiência da Austrália, onde nasceu o projeto, para provar seu argumento:

"Em 2011, os [mosquitos] Aedes aegypti com a [bactéria] Wolbachia começaram a ser liberados. Quando viram que 85%, 90% dos mosquitos que eles pegavam em campo mais tarde tinham a bactéria, a liberação foi interrompida. Agora, quatro anos depois, eles voltaram e viram que a taxa continua a mesma", conta.

Sobre os resultados da pesquisa no Rio, Freitas afirmou que ainda não pode divulgar o resultado preciso porque falta analisar todos os dados colhidos no laboratório, mas sinalizou que haverá motivos para comemoração. "Até onde a gente está acompanhando, parece que o experimento foi bem-sucedido", disse.

Sem fins lucrativos, o projeto é financiado pela Fiocruz e pelo Ministério da Saúde, mas também recebe apoio da Fundação Bill e Melinda Gates (do bilionário fundador da Microsoft). Além do Brasil e da Austrália, o "Eliminar a dengue" também está presente no Vietnã, na Colômbia e na Indonésia.

No Brasil, os mosquitos são "produzidos" em um laboratório que funciona em uma pequena sala na Fiocruz, em Manguinhos, zona norte do Rio. Quinze profissionais trabalham no projeto, entre eles funcionários que são responsáveis por apresentar a iniciativa aos moradores das áreas de estudo.

Em Tubiacanga, segundo o pesquisador Rafael Freitas, o lançamento dos mosquitos foi bem recebido pela população. "Fizemos uma pesquisa e tivemos uma aprovação de 90%", comemora o entomologista.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos