PUBLICIDADE
Topo

Pesquisa diz que metade dos EUA não pode pagar diagnóstico de coronavírus

Analista do laboratório da Fiocruz estuda amostra de teste de covid-19, o novo coronavírus - Carl de Souza/AFP
Analista do laboratório da Fiocruz estuda amostra de teste de covid-19, o novo coronavírus Imagem: Carl de Souza/AFP

Do UOL, em São Paulo

12/03/2020 17h39

Uma pesquisa publicada pelo Business Insider, na tarde de hoje, mostra que ao menos metade dos americanos que possuem seguros de saúde não acreditam que o plano arcaria com custos para exames e tratamento do coronavírus. Ao menos 27 milhões de pessoas não possuem planos de saúde no país.

O veículo afirma que procedimentos relacionados ao coronavírus, incluindo diagnósticos e tratamentos, podem custar entre 441 dólares (cerca de R$ 2.153, segundo a cotação do dia) e 1.151 dólares (R$ 5.619).

Apesar do seguro, muitos entrevistados alegaram que não há garantia de que não seriam cobrados por algum tipo de serviço.

Segundo a publicação, 29% dos entrevistados diz ter certeza de não poder arcar com qualquer conta médica apresentada. Outros 25% afirmam não ter confiança alguma de que poderiam pagar, enquanto 23% se disseram em dúvida se poderiam ou não arcar com novos custos.

O portal apresentou dois casos distintos de pessoas cobradas por diagnósticos. O primeiro, um morador de Miami chamado Osmel Martinez Azcue, teve procedimentos orçados em 3.270 dólares (R$ 15.965) após ser atendido no pronto-socorro e realizado o teste para a covid-19. O plano de saúde não arcou com todos os custos e o paciente precisou pagar 1,4 mil dólares (R$ 6.835) do próprio bolso.

Já Frank Wucinski, um paciente sem seguro médico, foi cobrado em 3.918 dólares (R$ 19.129) por testes para ele e sua filha, após o estado de Nova York demandas exames e iniciar quarentena em áreas mais afetadas. O hospital que o atendeu disse ao New York Times que a conta foi enviada por engano e que nada seria cobrado dele.

A pesquisa divulgada pelo Business Insider foi feita pelo Healthcare.com e entrevistou 2,5 mil pessoas.

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Saúde