PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Hospitais da periferia têm movimento tranquilo e leitos à disposição em SP

Ala separada para atendimento de síndromes respiratórias no Hospital Geral do Grajaú tem movimento tranquilo - Cleber Souza/UOL
Ala separada para atendimento de síndromes respiratórias no Hospital Geral do Grajaú tem movimento tranquilo Imagem: Cleber Souza/UOL

Cleber Souza

Do UOL, em São Paulo

18/03/2020 15h47

Em meio ao crescimento de casos de coronavírus em São Paulo, hospitais na periferia estão sem filas, com rápido atendimento e isolamento em caso de síndromes respiratórias e surgimento de casos relacionados à pandemia.

O UOL acompanhou a rotina de alguns hospitais da rede pública da zona sul entre ontem e hoje. Foram visitados os Prontos Socorros Maria Antonieta, no Grajaú, e Balneário São José; o Hospital Municipal de Parelheiros, o Hospital Geral do Grajaú, Hospital Municipal do MBoi Mirim, e ainda o Hospital Geral do Pedreira, na Vila Campo Grande.

A reportagem procurou as secretarias municipal e estadual de saúde para entender como está a situação do atendimento de forma geral na capital, mas não obteve resposta.

No Grajaú, o hospital possui um andar separado para atender somente casos de covid-19 e outras síndromes respiratórias.

O mesmo procedimento ocorre no hospital de Mboi Mirim, onde leitos foram separados, há uma ala somente para atendimento do covid-19 e minicirurgias foram canceladas.

Pacientes que fazem parte do grupo de risco estão sendo orientados a usarem máscaras ao entrar nas unidades. Quem chega com sintomas de gripe é atendido com urgência.

Pronto Socorro do Hospital Municipal Municipal Mboi Mirim vazio, em São Paulo - Cleber Souza/UOL - Cleber Souza/UOL
Pronto Socorro do Hospital Municipal Municipal Mboi Mirim vazio, em São Paulo
Imagem: Cleber Souza/UOL

No Grajaú, usando máscara, a aposentada Josefa Maria, 65, aguardava do lado de fora da unidade de saúde para visitar o irmão, internado devido a um acidente doméstico.

"Nunca vi tão vazio. Parece que o povo não tá ficando doente. Ainda bem, né? Aqui é sempre cheio, falta médico, falta muita coisa. Mas hoje está funcionando", comentou Josefa.

No hospital de Parelheiros, o carpinteiro Adriano Costa, 35, chegou por volta das 8h na unidade e em 40 minutos já recebeu alta.

"Não fiquei nem 1h aí dentro. Passaram um remédio para eu tomar em casa e disseram que se tiver alguma piora é para retornar. É estranho, normalmente a gente vê os hospitais cheios, ainda mais com esse vírus aí, achei que ia ficar o dia todo aqui", disse Adriano.

Pronto Socorro adulto no Hospital Geral do Grajaú estava vazio às 11h desta terça (17) - Cleber Souza/UOL - Cleber Souza/UOL
Pronto Socorro adulto no Hospital Geral do Grajaú estava vazio às 11h desta terça (17)
Imagem: Cleber Souza/UOL

As recomendações do Ministério da Saúde são para que a população evite aglomerações e vá ao hospital somente em estado grave.

O UOL ouviu de muitos presentes nas unidades que o "medo" pode estar sendo um fato que está afastando as pessoas dos hospitais. Ontem o Brasil confirmou duas mortes por covid-19, doença causada pelo coronavírus.

Até o momento, São Paulo possui 164 casos oficiais e uma morte por covid-19, sendo o estado com mais casos. Logo atrás vem o Rio de Janeiro, com 33 casos oficiais.

Coronavírus