PUBLICIDADE
Topo

OMS anuncia mais de 9 mil mortos e prioriza atenção a funcionários da saúde

20.mar.2020 - Homem ajuda a carregar caixão durante funeral na Itália; país foi um dos mais afetados pelo coronavírus - Piero Cruciatti / AFP
20.mar.2020 - Homem ajuda a carregar caixão durante funeral na Itália; país foi um dos mais afetados pelo coronavírus Imagem: Piero Cruciatti / AFP

Do UOL, em São Paulo

20/03/2020 14h49

A OMS (Organização Mundial de Saúde) anunciou na tarde de hoje que mais de 9 mil pessoas morreram em função do coronavírus em todo o mundo. O órgão afirma ter sido notificado, até o momento, de 210 mil casos confirmados e pediu atenção às condições de trabalho de funcionários da área de saúde.

Em entrevista coletiva feita por videoconferência, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, pediu cautela e anunciou que o órgão monitora principalmente médicos, enfermeiros e pessoas ligadas à saúde pelo contato maior com infectados diante de escassez de itens de higiene.

"A OMS está trabalhando ativamente para ajudar todos os países, especialmente aqueles que precisam mais de nós. A sobrecarga no mercado de itens de higiene e proteção criou dificuldades para que funcionários da área da saúde tenham acesso aos equipamentos necessários para realizar seus trabalhos de forma segura e efetiva. Essa é uma área-chave de preocupação para nós", observou.

O diretor também afirmou estar em contato com diversas empresas para aumentar a produção de itens como luvas, máscaras e álcool em gel de forma a auxiliar os profissionais. Ainda, querem prover mais testes de covid-19 para os países, com foco nos menos desenvolvidos.

Recado aos jovens

Ghebreyesus também alertou para a grande quantidade de pessoas abaixo dos 50 anos infectadas pelo coronavírus. Embora o vírus seja mais perigoso aos idosos, ele disse que os jovens não estão imunes.

"Hoje tenho um recado para os jovens: vocês não são invencíveis. Esse vírus pode colocar vocês no hospital por semanas ou mesmo matá-los. Se não estiver doente, suas escolhas podem colocar em risco a vida de outras pessoas", disse ele.

O diretor reforçou a necessidade de permanecer em casa. Ele ressaltou, ainda, que pessoas em países que não estiverem em quarentena obrigatória possam sair de casa por ao menos meia hora para caminhadas ou corridas ao ar livre. Nos casos em que o isolamento for compulsório, recomendou atividades dentro de casa, seja acompanhando aulas de dança ou ioga em vídeo ou mesmo subindo e descendo escadas.

Sem casos novos em Wuhan

O diretor também aproveitou a declaração para anunciar que a província de Wuhan, na China, primeiro epicentro do surto de coronavírus, não registrou ontem nenhum novo caso de covid-19.

"Mas hoje temos boas notícias. Ontem, Wuhan não teve nenhum caso novo desde que o surto começou. Isso fornece esperança para o resto do mundo. Com isso, podemos ver que é uma situção reversível", afirmou.

Ele também pediu paciência para com as autoridades que investigam o vírus, afirmando que todos os dias se aprende algo novo sobre a covid-19, e disse que a solidariedade é "a chave para combater o novo coronavírus."

"Diferentemente de qualquer pandemia da historia, temos o poder de mudar o curso disso", disse.

Plataforma de informações

Para permitir acesso a informações confiáveis, a OMS anunciou, em parceria com o WhatsApp e o Facebook, um serviço de mensagens que enviará notícias sobre o coronavírus aos usuários interessados.

Aqueles que quiserem receber os recados da organização devem enviar a mensagem "hi" ("oi", em inglês) para o número +41 798 931 892 pelo WhatsApp para se cadastrar.

Inicialmente o serviço, que oferece dicas sobre como se manter em casa, informações sobre sintomas da covid-19 e também sobre cuidados com as saúdes física e mental, é apenas em inglês. A OMS declarou que pretende ampliar a plataforma para outras línguas ainda na semana que vem.

Coronavírus