PUBLICIDADE
Topo

Major Olímpio contraria Bolsonaro e elogia Mandetta: "Fique em casa"

Senador Major Olímpio (PSL-SP) defendeu as medidas de isolamento e o ministro Mandetta (Saúde) - Valter Campanato/Agência Brasil
Senador Major Olímpio (PSL-SP) defendeu as medidas de isolamento e o ministro Mandetta (Saúde) Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

Do UOL, no Rio

29/03/2020 18h19

Resumo da notícia

  • Apoiador de Bolsonaro e seu colega na bancada da bala quando deputado, o senador Major Olímpio defendeu o ministro da Saúde
  • Ele defendeu orientações do ministro da Saúde a favor do isolamento social
  • "Se puder, fique em casa", escreveu Olímpio no Twitter

O senador Major Olimpio (PSL-SP), aliado de longa data de Jair Bolsonaro (sem partido), contrariou o presidente e defendeu as orientações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, pelo isolamento social.

Em seu perfil no Twitter, Olimpio —que foi colega de Bolsonaro como deputado federal e integrou com ele a bancada da bala— postou um vídeo de Mandetta e questionou:

"Como ir contra as indicações desse médico que está fazendo um brilhante trabalho pela população brasileira? Se puder fique em casa", pregou.

Apesar das recomendações do Ministério da Saúde, da OMS (Organização Mundial da Saúde) e de autoridades sanitárias nacionais e estaduais, Bolsonaro segue defendendo o fim do isolamento em nome de possíveis prejuízos econômicos no Brasil.

Neste domingo (29), Bolsonaro desrespeitou as recomendações sanitárias e visitou pontos de aglomeração em diversas áreas do Distrito Federal, cumprimentando e tirando fotos com apoiadores. Ao voltar ao Palácio da Alvorada, o presidente revelou que pensa em editar um decreto liberando a volta dos trabalhadores às suas atividades sem isolamento social.

"Estou com vontade de baixar um decreto amanhã. Toda e qualquer profissão legalmente existente ou aquela que é voltada para a informalidade, se for necessária para levar sustento para seus filhos, para levar um leite para seus filhos, arroz e feijão para sua casa, vai poder trabalhar", disse.

Coronavírus