PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Corona: Witzel amplia decreto e provoca Bolsonaro: 'Atitudes impensadas'

O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do governador do RJ Wilson Witzel - Pedro Ladeira/Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado do governador do RJ Wilson Witzel Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

30/03/2020 11h04

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), prorrogou por mais 15 dias o decreto que estabelece medidas restritivas para o combate do coronavírus no estado e a "situação de emergência" no território fluminense. De acordo com o texto publicado no Diário Oficial de hoje, ficam proibidos eventos que provoquem aglomerações e a abertura de pontos turísticos da capital, como o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor —o decreto é válido até o dia 13 de abril.

Ao anunciar a publicação das medidas, em sua conta no Twitter, Witzel aproveitou a oportunidade para cutucar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). "Não desafie o coronavírus. Não siga atitudes impensadas e descoladas da realidade", escreveu o governador.

Ontem ao passear pelas ruas do Distrito Federal, Bolsonaro descumpriu uma série de recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) para combate ao covid-19. Anteriormente, ele havia se referido à doença como uma "gripezinha".

O texto de Witzel mantém a proibição da circulação de carros de aplicativo entre municípios da região metropolitana e a capital. Com o objetivo de isolar a cidade do Rio, também segue restrito o tráfego de ônibus intermunicipais e trens.

Teatros, cinemas e lonas culturais que funcionem com aglomerações de pessoas também seguem proibidas de abrir as portas. Fica mantida a proibição do funcionamento de academias de ginástica, shoppings centers e centros comerciais.

Witzel também repete no decreto medidas que acabaram não tendo o aval das agências reguladoras, como a proibição de voos de estados em que foram registrados casos de contaminação de coronavírus para o Rio de Janeiro e a circulação de ônibus interestaduais.

As medidas, no entanto, dependeriam do aval da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Aglomerações em praias, rios e lagos do estado seguem proibidas pelo decreto. O concederá entrevista coletiva e deve anunciar novas medidas contra o coronavírus na tarde de hoje.

Saúde