PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: Paciente se revolta com diagnóstico e agride médico no Paraná

 Coronavírus médico Igor Kazuo Onaka, agredido em UPA por causa de diagnóstico - Simepar/Divulgação
Coronavírus médico Igor Kazuo Onaka, agredido em UPA por causa de diagnóstico Imagem: Simepar/Divulgação

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Ponta Grossa

08/04/2020 21h04

Um clínico geral da Unidade de Pronto Atendimento do bairro Sítio Cercado, em Curitiba, levou um soco no rosto hoje de um paciente de 40 anos com suspeita de covid-19. O homem teria se revoltado ao ser diagnosticado com possível infecção pelo novo coronavírus e partiu para cima da equipe médica ao ser informado da transferência para o Hospital Evangélico, uma das unidades no tratamento de pacientes com covid-19 na cidade.

De acordo com a vítima, o médico Igor Kazuo Onaka, o paciente entrou na unidade com sintomas gripais considerados moderados e falta de ar. A equipe seguiu o protocolo para casos suspeitos de covid-19 e esperou o surgimento de uma vaga em uma das unidades de saúde que cuidam de pacientes com coronavírus em Curitiba.

Após a disponibilidade do leito no hospital, a equipe comunicou a transferência ao paciente informando-o sobre a suspeita de covid-19. Neste momento, o homem se levanta da maca e retira por conta própria os cateteres, alegando que "não pode sair por conta do risco" e arranca o acesso venoso dos braços, causando sangramento, relata um atestado de declaração assinado pela equipe envolvida obtido pela reportagem.

Ao UOL, Kazuo acrescenta que tentou acalmar o paciente, mas acabou sendo agredido com um soco no nariz. Após a agressão, o paciente ainda sujou de sangue os demais profissionais de saúde até ser contido por guardas municipais. Antes de a equipe de segurança imobilizá-lo, o homem tentou morder e cuspiu nos médicos.

"Fui dizer a ele que se fugisse iria configurar até um crime. Nisso ele já arrancou o acesso venoso, jogando sangue para todo lado, arrancou a máscara e começou a cuspir, querendo contaminar toda a equipe. Pedi para ficar dentro da sala de novo e partiu para cima de mim, me agredindo com um soco no nariz quando começou a ser cercado pela equipe", narrou o médico.

O clínico geral não teve fratura. Ele e o restante dos profissionais envolvidos tiveram coleta de material para saberem se foram contaminados, em caso de o paciente testar positivo para covid-19. Todos estão em monitoramento e serão afastados se algum deles também tiver resultado positivo.

Um boletim de ocorrências foi registrado na Polícia Civil contra o paciente, que não teve a identidade revelada.

Estamos sob pressão, diz médico

Segundo Kazuo, que supervisiona o plantão matutino da UPA do bairro Sítio Cercado, em Curitiba, afirmou que os profissionais estão atuando sob pressão em meio à pandemia em razão do aumento de número de casos na capital paranaense.
A sensação de ansiedade acaba sendo agravada por comportamentos de pacientes que revoltam dentro da unidade, comentou o médico.

Curitiba tem 205 casos de covid-19, segundo o governo do Paraná. Ao todo, o estado tem 550 confirmações, com 17 mortes.
"Todos estão trabalhando sob pressão porque está começando a aumentar o número de pacientes suspeitos. Todos estão com receio, ansiedade e sem saber se vai aumentar como em outros países. Em uma situação dessa, com um paciente tentando agredir a equipe, então, é algo repugnante", declarou.

Agressão é alerta na pandemia, diz sindicato

Segundo a secretária geral do Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar), Cláudia Paola Aguilar, as equipes nas unidades de saúde adotaram o protocolo para pacientes suspeitos de infecção pelo novo coronavírus.

A representante da categoria aponta que uma eventual sobrecarga do sistema de saúde faça surgir novos casos de agressão.
"É primeira vez que um paciente com suspeita de covid-19 agride um profissional de saúde, mas isso acende um alerta porque o sistema pode sobrecarregar. Por enquanto não chegamos a esse ponto, como em outras cidades, que tem muitos pacientes para poucos recursos. Agora, isso pode se intensificar", comentou.

O sindicato relata que os profissionais envolvidos estariam sem Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados, causando temor de contágio nesses tipos de situações em ocorrências futuras.

Secretaria repudia agressão e nega falta de EPIs

Em nota, a Secretaria Municipal de Curitiba e a Fundação Estatal de Atenção à Saúde (Feas) "repudiam a agressão ao médico, se solidarizam com a vítima e lamentam a tentativa da entidade que representa os médicos de relacionar a violência à suposta falta de EPIs"

Os órgãos informaram que "demonstraram ao Ministério Público do Trabalho (MPT) que seguem todas as normas do Ministério da Saúde para uso de EPIs, fato comprovado por laudos de inspeção dos Conselhos Regionais de Medicina (CRM-PR) e de Enfermagem (Coren-PR)".

Coronavírus