PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
9 meses

Covid-19: subnotificação em MG é 4 vezes maior que a do Brasil, diz estudo

06.04.2020 - Movimentação de aglomeração de pessoas na região central de Belo Horizonte (MG), apesar de determinação para isolamento social contra novo coronavírus - Alex de Jesus/O Tempo/Estadão Conteúdo
06.04.2020 - Movimentação de aglomeração de pessoas na região central de Belo Horizonte (MG), apesar de determinação para isolamento social contra novo coronavírus Imagem: Alex de Jesus/O Tempo/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

13/05/2020 08h31

O número de casos da covid-19 no estado de Minas Gerais pode ser 16 vezes maior do que o número divulgado oficialmente. De acordo com uma pesquisa da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), haveria 16,5 casos subnotificados do novo coronavírus para cada caso confirmado. A pesquisa mostra ainda que a subnotificação no estado é quatro vezes a do Brasil. No país, a estimativa é de que há 3,8 pessoas com a covid-19 para cada caso confirmado.

O estudo divulgado ontem foi realizado pelos professores Leonardo Costa Ribeiro, da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, e Américo Tristão Bernardes, do departamento de física da Universidade Federal de Ouro Preto, e avaliou números entre a 9ª (23 a 29 de fevereiro) e a 17ª (19 a 25 de abril) semanas epidemiológicas.

Há um mês, o índice de subnotificações no país era de 7,7 para cada caso confirmado. A redução, de acordo com Ribeiro, deve-se ao aumento de testes pelo país, ao contrário de Minas Gerais. O estudo avaliou o número de hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no estado. Minas Gerais tem o terceiro maior número de internações por SRAG, atrás de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas aparece apenas na 11ª posição na lista dos casos confirmados de covid-19.

"Consideramos que a combinação de alto número de hospitalizações pela síndrome com números baixos de testes e casos confirmados seja indício de que há grande subnotificação nos registros oficiais", afirma o pesquisador.

A pesquisa usou estatísticas sobre hospitalizações da Fiocruz e combinou análises sobre a evolução temporal das internações entre 2012 e 2020. Essa análise identificou o comportamento típico dos casos de hospitalização por SRAG no mesmo período dos anos avaliados.

Em 2012, o número de hospitalizações por SRAG nesse período foi de 1.184 no país e 455 em Minas Gerais. Em 2016, houve um aumento para 16.500 casos no Brasil e para 1.254 no estado mineiro. Em 2020, essas internações subiram consideravelmente: são 64.074 no país e 6.147 em Minas Gerais.

A nota técnica publicada pelos pesquisadores ressalta que os índices de subnotificação foram obtidos com base nos casos mais graves, que chegam aos hospitais. "Então, é de se esperar que, considerando também os casos que não geram hospitalização, esses índices sejam ainda maiores".

De acordo com o balanço divulgado ontem pela secretaria de estado de Saúde de Minas Gerais, o estado tem 3.435 casos confirmados da covid-19 e 101.496 suspeitos. Foram registradas 127 mortes em decorrência da doença e há 118 óbitos em investigação.

Coronavírus