PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Maia: 'Não podemos achar que é normal' Congresso divulgar números da covid

Maia argumenta que essa função é do governo federal -
Maia argumenta que essa função é do governo federal

Do UOL, em São Paulo

08/06/2020 19h08

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, falou hoje sobre a possibilidade de o Congresso divulgar os números de mortos e contaminados pelo novo coronavírus no Brasil:

"Não podemos achar que é normal, em um momento como esse, ter outros órgãos que devam ou precisem cumprir o papel que é do governo federal", afirmou em entrevista à CNN Brasil.

Maia continuou: "Isso vai gerando frustração na sociedade e também insegurança muito grande de outros países em relação ao nosso país. Eu espero que até amanhã a gente possa ter isso resolvido da melhor forma, que é o restabelecimento da divulgação desses dados".

Hoje, a Rede Sustentabilidade, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) contestaram, no Supremo Tribunal Federal, a restrição da divulgação dos dados. A corte vai decidir sobre a obrigatoriedade de o governo divulgar as informações até as 19h30.

O Ministério da Saúde alterou na semana passada a forma como são divulgados os dados: primeiro, o horário de divulgação passou das 17h para as 19h e, depois, para as 22h. Além disso, na quinta-feira, o portal no qual o ministério divulga o número de mortos e contaminados foi retirado do ar.

Quando retornou, depois de mais de 19 horas, não contava mais com os números consolidados e o histórico da doença desde seu começo — apenas as ocorrências das últimas 24h.

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus