PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Saúde diz que estratégia nacional depende de dados fornecidos por hospitais

Secretário disse que Ministério da Saúde tenta aumentar a qualidade do banco de dados - Axel Heimken/dpa/Pool/dpa/AFP
Secretário disse que Ministério da Saúde tenta aumentar a qualidade do banco de dados Imagem: Axel Heimken/dpa/Pool/dpa/AFP

Do UOL, em São Paulo

12/06/2020 18h55

O Ministério da Saúde afirmou hoje, durante entrevista coletiva, que a estratégia nacional no combate ao novo coronavírus depende dos dados fornecidos por hospitais sobre a quantidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados à covid-19 e a taxa de ocupação.

"Hoje, o Ministério tenta aumentar a qualidade do banco de dados, e a responsabilidade pelo preenchimento da disponibilidade do leito é do gestor da ponta da linha, do hospital. Então, é muito importante a consciência desse gestor de preencher diariamente o nosso sistema, o e-SUS Notifica, para que eu possa ter um banco de dados confiável e dar total transparência da força de combate à pandemia daquele hospital", disse Franco Duarte, secretário de Atenção Especializada do Ministério da Saúde.

"Que possamos ter estratégia nacional efetiva. Para isso, preciso que o gestor preencha o e-SUS Notifica, que tem previsão em portaria ministerial do preenchimento diário, mas, até o presente momento, estamos dia e noite procurando, utilizando meios de contato direto, contato com secretários municipais, para que vá até o hospital e alerte sobre a necessidade do preenchimento", declarou o secretário.

Duarte lamentou os profissionais que acabam infectados e a falta de sistema eletrônico em todos os hospitais, o que dificulta o fornecimento dos dados.

"Hoje, sabemos da dificuldade. Às vezes, aquele servidor público está com covid-19, e o substituto dele também está em casa, e o sistema do hospital não é web. Tudo isso é uma dificuldade, mas iremos o tempo todo buscar aumentar a qualidade dos dados. Se Deus quiser, daqui um mês, chegaremos com uma segurança da informação chegando a 80%, 90%, e teremos uma visão estratégica para a tomada da melhor decisão."

Coronavírus