PUBLICIDADE
Topo

Secretária de Saúde do AM e mais 6 presos da Operação Sangria deixam prisão

Simone Papaiz durante entrevista sobre a epidemia de covid-19, em abril deste ano - Diego Peres/Secom
Simone Papaiz durante entrevista sobre a epidemia de covid-19, em abril deste ano Imagem: Diego Peres/Secom

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

05/07/2020 18h16

Resumo da notícia

  • Sete presos na Operação Sangria, que investiga irregularidades na compra de respiradores, deixaram a prisão
  • A secretária de Saúde do Amazonas, Simone Papaiz, foi libertada com mais dois investigados na madrugada de hoje
  • Quatro investigados tiveram a prisão temporária convertida em prisão temporária domiciliar
  • O teor da decisão não foi divulgado pelo STJ

Sete presos da Operação Sangria, que investiga superfaturamento na compra de respiradores pelo governo de Wilson Lima (PSC), deixaram a prisão por ordem judicial.

Três presos, entre eles a secretária de saúde do Amazonas, Simone Papaiz, foram libertados na madrugada de hoje (5) após o final da prisão temporária de cinco dias. Além da secretária, foram soltos os investigados Perseverando da Trindade Garcia Filho e Cristiano da Silva Cordeiro.

Quatro presos tiveram a prisão temporária de cinco dias convertida em prisão temporária domiciliar de mais cinco dias. São eles: Fábio José Antunes Passos, João Paulo Marques dos Santos, Alcineide Figueiredo Pinheiro e Luciane Zuffo Vargas de Andrade. Os quatro deixaram a cadeia na tarde de ontem (4).

Os sete haviam sido presos em 30 de julho, quando da deflagração da Operação Sangria.

A decisão judicial foi confirmada em nota divulgada pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária do Amazonas, que não divulgou o teor da ordem. A assessoria de comunicação do Superior Tribunal de Justiça informou que a investigação tramita em segredo de justiça.

A PF chegou a pedir a prisão de Lima, mas a PGR deu parecer contrário à prisão e o ministro Francisco Falcão, do STJ, negou o pedido, porém determinou o bloqueio de bens e busca e apreensão em todos os endereços ligados a ele.

O TCE-AM (Tribunal de Contas do Estado do Amazonas) pediu o afastamento da secretária Simone Papaiz, apesar de ela ter assumido a secretaria da Saúde após as compras de respiradores investigados na Operação Sangria, por ter dificultado a atuação de órgãos de controle. A medida do TCE foi citada pelo ministro Falcão quando determinou a prisão da secretária.

Coronavírus