PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Rússia vai enviar vacina para cidadãos russos no Brasil, diz Ratinho Jr.

Sputnik V, vacina russa contra o novo coronavírus (covid-19) aprovada pelas autoridades da Rússia - The Russian Direct Investment Fund (RDIF)/Handout via REUTERS
Sputnik V, vacina russa contra o novo coronavírus (covid-19) aprovada pelas autoridades da Rússia Imagem: The Russian Direct Investment Fund (RDIF)/Handout via REUTERS

Do UOL, em São Paulo

19/08/2020 11h29

O governo da Rússia pode enviar vacinas a partir de outubro para imunizar os cidadãos russos que vivem no Brasil. A possibilidade foi citada pelo governador do Paraná, Ratinho Jr., em entrevista hoje à Rádio Bandeirantes.

De acordo com o político, uma pessoa conhecida nascida na Rússia, já recebeu um contato do governo local falando sobre a possibilidade.

"Algo que me deixou esperançoso, tenho uma vizinha russa, casada com um brasileiro e mora no Brasil há alguns anos. O governo russo entrou em contato com ela dizendo que a partir de outubro vai enviar a vacina para todos os russos no Brasil. O governo russo não faria isso se a vacina não estivesse num estágio avançado", disse o governador.

Ratinho Jr. também falou sobre o entendimento do governo do Paraná com autorizades russas para participar de testes com a vacina anunciada e, talvez, importar a tecnologia para produzi-la no estado. Segundo ele, em caso de aprovação, a imunização pode ser distribuída no primeiro semestre de 2021.

"Temos sido conservadores no cronograma. A Rússia tem um histórico de inteligência muito grande e muita ciência nessa área de biotecnologia, não dá para menosprezar. Existe um jogo geopolítico e econômico. Estamos falando de bilhões para quem achar a vacina o mais rápido possível. Essa parte oriental do mundo não é muito de fazer média com a OMS, não é muito de dar explicações para a OMS [...] Acreditamos que no primeiro semestre do ano que vem, tendo todas as aprovações, consigamos colocar esse volume de vacinas à disposição do Ministério da Saúde", comentou.

Coronavírus