PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Covid-19: Brasil registra 826 novas mortes em 24 h; total chega a 135.857

Nas últimas 24 horas, 39.991 pessoas receberam teste positivo para covid-19 no país - Getty Images
Nas últimas 24 horas, 39.991 pessoas receberam teste positivo para covid-19 no país Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

18/09/2020 18h52Atualizada em 18/09/2020 20h44

O Brasil registrou 826 novas mortes pelo novo coronavírus, segundo números o consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. Ao todo, o país já registra 135.857 óbitos desde o início da pandemia.

Com 39.991 novos diagnósticos registrados hoje pelas secretarias de saúde dos estados, o Brasil chega a 4.497.434 pessoas infectadas pelo vírus.

A média móvel de mortes, calculada com base nos dados dos últimos sete dias, é de 769, o que representa estabilidade em relação aos últimos 14 dias.

Doze estados e o Distrito Federal apresentaram queda hoje e dois registraram alta: Pernambuco (25%) e Rio de Janeiro (36%). Outros 12 estados mantiveram estabilidade.

O Norte foi a única região a registrar queda (-30%) na média móvel de mortes, já o Centro-Oeste (-14%), o Nordeste (-11%), o Sudeste (6%) e o Sul (-10%) seguem estáveis.

Veja a oscilação nos estados:

  • Aceleração:PE e RJ
  • Estabilidade: AP, BA, GO, MA, MG, MS, PA, PI, PR, RO, RS e SP
  • Queda: AC, AL, AM, CE, DF, ES, MT, PB, RN, RR SC, SE e TO

Dados do governo federal

De acordo com os dados compilados pelo Ministério da Saúde, 135.793 pessoas já morreram no Brasil por causa da covid-19. Desses óbitos, 858 foram confirmados nas últimas 24 horas.

Entre ontem e hoje, o governo federal contabilizou 39.797 testes positivos para o novo coronavírus, totalizando 4.495.183.

Bolsonaro diz que 'fique em casa' é para os 'fracos'

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a minimizar as medidas de isolamento social recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) hoje durante um evento em Sorriso, em Mato Grosso. Ele chamou o isolamento social de "conversinha mole" e disse que a campanha "fique em casa" é "para os fracos".

"Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram naquela conversinha mole de 'fique em casa, que a economia a gente vê depois'", afirmou ele a uma plateia formada por ruralistas e executivos do agronegócio. "Isso é para os fracos. O vírus, eu sempre disse, era uma realidade, e tínhamos que enfrentá-lo. Nada de se acovardar perante aquilo que nós não podemos fugir dele", completou.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus