PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Brasil tem 826 novos óbitos em 24 h e ultrapassa 140 mil mortes por covid

Túmulos no cemitério São Francisco Xavier (RJ) em meio à pandemia de covid-19 - Ricardo Moraes/Reuters
Túmulos no cemitério São Francisco Xavier (RJ) em meio à pandemia de covid-19 Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

Do UOL, em São Paulo

25/09/2020 18h53Atualizada em 25/09/2020 20h26

O país ultrapassou hoje 140 mil mortes por covid-19 ao registrar 826 novos óbitos nas últimas 24 horas. A informação é do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

A quantidade de casos confirmados entre ontem e hoje é de 32.670, totalizando 4.692.579 diagnósticos da doença.

A média móvel de mortes, calculada com base nos números de mortos dos últimos sete dias, é de 693, o que representa estabilidade em relação aos últimos 14 dias.

O Brasil está desde o dia 15 de setembro com os registros de mortes abaixo de mil e segue em estabilidade de -4%.

Três estados registraram alta na variação da média móvel em relação a 14 dias atrás: Amapá (29%), Rio de Janeiro (29%) e Roraima (100%). Nove estados e o Distrito Federal tiveram queda nas mortes e outros 14 estados se mantiveram estáveis.

Das regiões, todas se mantiveram estáveis: Centro-Oeste (-12%), Nordeste (-3%), Norte (-8%), Sudeste (2%), Sul (-14%).

Veja a oscilação nos estados:

  • Aceleração: AP, RJ e RR
  • Estabilidade: AM, BA, CE, GO, MA, MG, PA, PB, PE, PI, PR, RN, SP e TO
  • Queda: AC, AL, DF, ES, MS, MT, PB, RO, RS, SC e SE

Dados da Saúde

O ministério da Saúde divulgou, no início da noite, 729 novos óbitos registrados nas últimas 24 horas, totalizando 140.537 mortes desde o início da pandemia.

Foram 31.911 os casos novos confirmados entre ontem e hoje, totalizando 4.689.613 infectados pela covid-19.

O governo considera 4.040.949 casos recuperados e afirma que há 508.127 pacientes em acompanhamento.

Bolsonaro libera R$ 2,5 bi para adesão em programa global de vacinas

O presidente Jair Bolsonaro liberou, na tarde de ontem, cerca de R$ 2,5 bilhões para o Brasil integrar programa global de vacinas contra a covid-19, batizado Covax Facility. A aliança é coordenada pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

A liberação consta em duas medidas provisórias editadas ontem à tarde. Os valores liberados servem para que o país possa "comprar o equivalente para garantir a imunização de 10% da população até o final de 2021, o que permite atender populações consideradas prioritárias", diz trecho de comunicado publicado pela Secretaria Geral da Presidência da República.

A adesão ao programa permitirá o acesso ao portfólio de nove vacinas em desenvolvimento, além de outras que ainda estão sob análise. O plano global de vacinação tem por objetivo garantir a compra e a distribuição de doses do imunizante contra a covid-19 de maneira justa e por todo o mundo.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus