PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

AM: Planalto analisa há 9 dias oferta de aviões de EUA e ONU para oxigênio

Ministro Eduardo Pazuello participa de entrega das vacinas de Oxford em Manaus  - Flickr/Ministério da Saúde
Ministro Eduardo Pazuello participa de entrega das vacinas de Oxford em Manaus Imagem: Flickr/Ministério da Saúde

Rosiene Carvalho

Colaboração para o UOL, em Manaus

25/01/2021 15h57Atualizada em 25/01/2021 16h51

O Ministério da Saúde e o governo do Amazonas receberam nos dias 16 e 18 de janeiro as ofertas de três aeronaves, duas da ONU (Organização das Nações Unidas) e uma do governo dos Estados Unidos (EUA), para transportar de forma mais rápida oxigênio até o Amazonas. A autorização para a utilização destes aviões, que deveria ser dada pelo governo federal, segue sob análise, segundo apurou o UOL.

Manaus tem ligação por terra precária com o restante do Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, a melhor solução na crise de desabastecimento de oxigênio no estado é o transporte aéreo. O sistema de saúde do Amazonas está em colapso desde 14 de janeiro, com UTIs superlotadas, falta de vagas em hospitais e falta de oxigênio na rede hospitalar.

O UOL teve acesso a uma troca de emails entre a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas e a representante do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) no Brasil, Florence Bauer. Nela, os representantes do estado têm a confirmação de apoio logístico para o transporte de oxigênio com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) por via aérea. Ambos os órgãos são ligados à ONU.

No email do dia 16 de janeiro, Bauer informa que dois cargueiros (Boeing 767 e Boeing 737) foram oferecidos ao Ministério da Saúde. "Espero que possa ser viabilizada rapidamente junto ao ministério", afirma a representante do Unicef na mensagem.

A assessoria de comunicação do Ministério da Saúde informou que "a proposta está em análise no departamento de logística devido às peculiaridades técnicas".

Deputado anunciou em rede social oferta dos EUA para fornecer aeronave

No dia 18 de janeiro, o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) publicou em suas redes sociais uma terceira oferta de ajuda para transportar oxigênio para o Amazonas. No Twitter, ele diz que o governo do Amazonas havia pedido à embaixada americana uma aeronave para levar o insumo e que "intercedeu junto ao Itamaraty para acelerar os trâmites".

No mesmo dia, o deputado postou que a embaixada americana "já havia disponibilizado a aeronave para o transporte de oxigênio". "Faltando apenas o Ministério da Saúde confirmar a necessidade da aeronave", afirmou o parlamentar em sua rede social.

Nenhuma das aeronaves entrou no circuito logístico para socorrer os amazonenses.

Itamaraty não explica tempo de análise do caso

Procurado pelo UOL sobre a razão de a aeronave da embaixada americana não ter sido utilizada na logística do Amazonas, o Ministério da Saúde informou que, segundo a "assessoria internacional" da pasta, "as tratativas estão a cargo do MRE (Ministério das Relações Exteriores)". A assessoria de comunicação do MRE foi questionada pela reportagem na quinta-feira (21), mas nenhuma resposta foi enviada até a publicação desta reportagem.

O governo estadual, por meio do coordenador da Unidade de Gestão Integrada, Thiago Paiva, confirmou que a solicitação da liberação do uso das aeronaves foi feita ao governo federal, que ainda não havia se manifestado. Paiva ainda destacou o caráter "fundamental" deste apoio no transporte aéreo de oxigênio.

O MPF (Ministério Público Federal) informou que recebeu denúncias que estão sendo analisadas, mas que prefere não se manifestar sobre o caso durante as investigações. Na semana passada, procuradores enviaram ao Ministério da Saúde questões sobre a atuação da pasta na crise de Manaus.

Coronavírus