PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
10 meses

Governo cita falta de 'evidência científica' para adiamento de 2ª dose

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ao lado da primeira vacinada no país, a enfermeira Monica Calazans. Ideia de adiar 2ª dose partiu da gestão paulista - DANILO M YOSHIOKA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ao lado da primeira vacinada no país, a enfermeira Monica Calazans. Ideia de adiar 2ª dose partiu da gestão paulista Imagem: DANILO M YOSHIOKA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

28/01/2021 19h15

O governo federal usou o argumento científico hoje para se posicionar, a princípio, contra o adiamento da aplicação da segunda dose da CoronaVac, a vacina contra a covid-19 produzida pelo Instituto Butantan e distribuída pelo Ministério da Saúde. A pasta comandada pelo ministro Eduardo Pazuello afirmou que um período maior do que 28 dias entre as duas doses pode colocar em risco a proteção dada pela vacina.

"É importante ressaltar que as recomendações [de aplicação] têm como base os estudos clínicos da fase 3 do imunizante, que indicam que o intervalo entre a primeira e a segunda dose deve ser de duas a quatro semanas", afirmou o Ministério em nota.

"Não há, até o momento, evidências científicas de que a ampliação desse intervalo irá oferecer a proteção necessária à população", acrescentou a pasta.

A hipótese de adiar para além de quatro semanas o intervalo entre a primeira e a segunda dose surgiu dentro do Centro de Contingência para o coronavírus do estado de São Paulo. Ontem, a gestão do governador paulista, João Doria (PSDB), anunciou que enviaria uma consulta ao Ministério da Saúde para postergar a aplicação da segunda dose.

A nota da pasta federal não é uma resposta direta à solicitação da gestão paulista, que ainda terá que ser respondida pelo governo federal, mas evidencia que o Ministério da Saúde não deve apoiar a iniciativa.

Com a mudança de estratégia, a ideia do governo de São Paulo é conseguir vacinar mais pessoas com a primeira dose, conferindo a elas uma proteção maior contra o coronavírus, ainda que não seja o recomendado pelos resultados dos testes clínicos feitos no Brasil com a CoronaVac.

Coronavírus