PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Fiocruz encontra mutações inéditas do coronavírus em Rondônia

Nanographics GmbH
Imagem: Nanographics GmbH

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

11/02/2021 16h11Atualizada em 11/02/2021 21h37

Pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em Rondônia concluíram um estudo genômico do novo coronavírus que circula no estado e encontraram 41 mutações no SARS-CoV-2 —algumas possivelmente associadas a efeitos de maior transmissibilidade. Tais mutações estão presentes em três linhagens diferentes que, até então, não haviam sido descritas no estado.

Por conta da segunda onda de covid-19, Rondônia enfrenta um colapso na rede pública de saúde, sem vagas para internar todos os pacientes e transferindo doentes para outros estados.

As amostras analisadas pela Fiocruz foram colhidas de pessoas infectadas entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano na capital Porto Velho e interior do estado. As mutações que foram encontradas ocorreram nas três variantes que circulam no estado: P.2, B.1.1.28 e B.1.1.33 (ambas com circulação no Brasil).

Seis mutações chamam a atenção e ocorreram na proteína Spike, usada pelo coronavírus para entrar nas células humanas —ela é alvo dos anticorpos produzidos pelo sistema imunológico depois da contaminação pela covid-19. Mudanças nessa proteína podem surtir efeitos de ampliação da capacidade de transmissibilidade do vírus, propiciar casos de reinfecção ou mesmo redução da proteção de vacinas.

É importante ressaltar que algumas mutações que acontecem em genes específicos do vírus podem trazer um efeito negativo no combate e controle da pandemia.
Deusilene Viera, Tarcio Peixoto Roca e Felipe Souza Nogueira, da Fiocruz Rondônia, em texto produzido para o UOL

O estudo contou com colaboração do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD / Fiocruz Amazônia), da Secretaria de Estado da Saúde, do Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública) e do Centro de Pesquisa em Medicina Tropical de Rondônia (Cepem-RO).

Mudanças possíveis

Uma das questões levantadas pelos pesquisadores é que essas mutações seriam capazes de afetar a capacidade de diagnóstico dos pacientes. "No gene N, por exemplo, foram identificadas algumas alterações que podem impactar no diagnóstico viral em alguns protocolos importantes", dizem, citando, porém, que ainda "não existem estudos concretos para essa comprovação".

Um outro ponto citado —e que já vinha sendo alertado em pesquisas sobre outras variantes encontradas— é que o vírus está com maior poder de transmissão e pode até, eventualmente, furar uma imunidade adquirida por quem já teve covid-19.

"Algumas alterações específicas no gene S podem trazer um efeito de maior transmissibilidade e a possibilidade de reinfecção em casos isolados. Essas mutações estão presentes nas principais variantes emergentes e tornam-se motivo de preocupação", apontam, completando: "A variante P.2, encontrada entre os isolados de Rondônia, possui uma mutação importante na proteína Spike denominada de E484K, associada a um maior efeito de transmissibilidade e possivelmente, porque ainda não comprovado, a casos de reinfecção".

No Amazonas, a variante P.1, por exemplo, conseguiu reinfectar uma mulher que tinha anticorpos ativos após uma primeira infecção. Essa variante teve mudanças na proteína Spike.

Por ora, dizem os pesquisadores, não existem indícios de que as mutações vistas em Rondônia tornem o vírus mais agressivo ou que afete a gravidade da doença. Entretanto, elas teriam poder de contaminar mais pessoas ao mesmo tempo e colapsar hospitais.

O alto potencial de transmissão do SARS-CoV-2 possibilita o surgimento de muitos casos ativos simultâneos na população. Conforme o vírus se espalha e infecta novas pessoas, o vírus vai acumulando novas mutações porque as cepas passam por pressões do sistema imunológico e ambientais diferentes que selecionam quais cepas vão se perpetuar. Portanto, a quantidade elevada e simultânea de infecções causa como consequência o aumento da chance de surgimento de novas variantes.
Pesquisadores da Fiocruz Rondônia

A pesquisadora Deusilene Vieira afirma que o número de novas mutações chamou a atenção dos pesquisadores porque foi quase o dobro do revelado inicialmente —o que mostra um processo evolutivo e preocupante do novo coronavírus.

"No estudo genômico que fizemos no início, entre abril e maio, foram 22 mutações e agora foram 41. Muitas delas não estão descritas ainda na literatura", diz.

Segundo ela, a única forma de conter as mutações do vírus é reduzindo a circulação dele por meio de um isolamento social mais rígido. "Esse estudo mostrou a necessidade de uma vigilância genômica e dos cuidados das pessoas: quanto mais gente circulando desnecessariamente, não respeitando o distanciamento, maior facilidade haverá para para o surgimento de novas mutações e, portanto, de novas variantes."

Coronavírus