PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Hospital em SC diz que entrou em colapso, com pacientes graves em poltronas

Profissionais de saúde transportam paciente com sintomas da covid-19 para ambulância - Amanda Perobelli
Profissionais de saúde transportam paciente com sintomas da covid-19 para ambulância Imagem: Amanda Perobelli

Do UOL, em São Paulo

02/03/2021 17h12

O Hospital Regional São Paulo, localizado em Santa Catarina, admitiu na tarde de hoje que a unidade hospitalar chegou ao colapso, com todos os ambientes lotados, e que alguns pacientes em estado grave já aguardam atendimento sentados em poltronas.

"Não há mais espaço físico, estrutura e pessoal para atender a grande demanda e que cresce diariamente. Estamos com nossa unidade 100% lotada em todos os ambientes, tanto na UTI Geral, UTI Neonatal, internação, Ala Covid, mas especialmente na Emergência. Estamos vivendo o pior momento desde o início da pandemia da Covid-19. Não iremos viver uma catástrofe, já estamos nela", disse o hospital, em comunicado. (Leia nota, na íntegra, abaixo)

Segundo a unidade hospitalar, dos 35 pacientes que estão na Emergência, 20 intubados aguardam transferência. Outros pacientes que estão em estado grave aguardam o atendimento acomodados em poltronas ou em espaços improvisados.

"É nossa realidade nesse momento: o colapso não é eminente, ele está em curso. Estamos prestes a não poder mais receber pacientes e que eles terão que aguardar do lado de fora do hospital, pois não temos mais espaço físico, equipamentos e ambiente para atender nossos pacientes. Estamos em um momento tão crítico, que será melhor para o paciente ficar aguardando atendimento dentro de uma ambulância do que dentro dos espaços da unidade hospitalar", ressaltou.

O estado de Santa Catarina confirmou, até agora, 681.391 casos confirmados de covid-19 e 7.524 óbitos em decorrência da doença.

Transferência de pacientes para ES

A secretaria estadual informou ontem que vai transferir até 16 pacientes com covid-19 para o Espírito Santo. O transporte será feito de Chapecó para uma unidade hospitalar da região metropolitana de Vitória.

Segundo a pasta, a transferência foi acertada após conversas do secretário André Motta Ribeiro com a secretaria de estado de Saúde do Espírito Santo.

Neste momento, a ação irá priorizar pacientes que estão internados no HRO (Hospital Regional do Oeste) com indicação para transferência para UTI (Unidade de Terapia Intensiva). A Superintendência de Regulação avalia as condições clínicas dos pacientes para formalizar as transferências.

No domingo, a taxa de ocupação na rede pública alcançou a marca de 99,38%, com um total de 789 leitos ocupados.

  • Santa Catarina: aceleração (110%)

Leia comunicado, na íntegra

A Direção Técnica e Administrativa do Hospital Regional São Paulo (HRSP) informa à população que está em colapso. Não há mais espaço físico, estrutura e pessoal para atender a grande demanda e que cresce diariamente. Estamos com nossa unidade 100% lotada em todos os ambientes, tanto na UTI Geral, UTI Neonatal, internação, Ala Covid, mas especialmente na Emergência, que hoje (terça-feira, 02, está com 35 pacientes, destes, 20 entubados, aguardando transferência para leitos de UTI Covid). Estamos vivendo o pior momento desde o início da pandemia da Covid-19. Não iremos viver uma catástrofe, já estamos nela.

O hospital fez desdobramentos e aumentos para atender a demanda. Mas mesmo assim, a situação está em colapso. Não tem mais possibilidade para receber mais pacientes que necessitem de ventilação mecânica ou suporte de oxigênio. Estamos com pacientes graves, acomodados em poltronas ou em espaços improvisados, pois já se esgotou toda a estrutura física para atendimento. É muito preocupante pois são pacientes graves e que necessitariam de uma atenção especializada e que não deveriam estar aguardando por um leito, na Emergência do hospital.

É nossa realidade nesse momento, o colapso não é eminente, ele está em curso. Estamos prestes a não poder mais receber pacientes e que eles terão que aguardar do lado de fora do hospital, pois não temos mais espaço físico, equipamentos e ambiente para atender nossos pacientes, mesmo com os equipamentos recebidos recentemente do Governo Federal e Estadual. Estamos em um momento tão crítico, que será melhor para o paciente ficar aguardando atendimento dentro de uma ambulância do que dentro dos espaços da unidade hospitalar, o paciente terá mais suporte e recursos dentro da ambulância. Seria uma imprudência retirar o paciente do suporte que está recebendo na ambulância, com o aporte dos equipamentos de uma UTI Móvel e dos profissionais para atender esse paciente, do que receber ele no hospital.

Os profissionais estão esgotados, existe falta de insumos, tecnologias, materiais e equipamentos. Em tempos normais, uma equipe (composta por médico, enfermeira, fisioterapeuta e técnicos de enfermagem) atende cerca de 10 pacientes, hoje, nesse momento "de guerra" não conseguimos contar quantos pacientes cada equipe está atendendo por turno de trabalho.

É o caos. É o limite. Do jeito que está, as equipes estão fazendo o que é possível, dentro do alcance e do que está disponível. Alcançamos o máximo das nossas possibilidades. Vamos começar a perder vidas de muitos pacientes. A comunidade precisa estar preparada. E não vai ser por falha de atendimento, vai ser por falta de acesso ao serviço de saúde que está lotado.

Coronavírus