PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Em 3 dias, 11 morrem de covid à espera de UTI em Ribeirão Pires (SP)

Pacientes com covid-19 no Hospital de Campanha de Ribeirão Pires - Anahi Martinho/UOL
Pacientes com covid-19 no Hospital de Campanha de Ribeirão Pires Imagem: Anahi Martinho/UOL

Anahi Martinho

Colaboração para UOL, em Ribeirão Pires (SP)

12/03/2021 22h23

Ameaçado de fechar, o Hospital de Campanha de Ribeirão Pires, que atende cidades do ABC paulista e da Grande São Paulo, está no limite da capacidade.

A unidade está com 38 dos seus 42 leitos ocupados, todos por pessoas em estado médio e grave de contaminação pelo covid-19.

Só nos últimos três dias, morreram 11 pacientes na unidade, segundo a diretora-geral de enfermagem, Odília Gomes. Todos estavam à espera de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) pelo sistema Cross, que está sobrecarregado.

O Cross (Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde) atua na distribuição de pacientes em leitos disponíveis por todo o estado de São Paulo. Mas está em colapso desde a semana passada.

A situação está crítica. Nestes últimos dias estamos com quase 100% da capacidade ocupada por pacientes em estado médio e grave.
Odília Gomes, diretora-geral de enfermagem do Hospital de Campanha de Ribeirão Pires

O hospital de campanha, que funciona em um ginásio esportivo da cidade, não conta com UTI, apenas tem respiradores e enfermaria. Somente hoje, a unidade estava com oito pacientes intubados. Um deles morreu durante a visita da reportagem do UOL.

Além dos moradores de Ribeirão Pires, o hospital recebe pacientes transferidos de prontos-socorros das cidades vizinhas de Mauá, Ferraz de Vasconcelos, Suzano, Poá e Rio Grande da Serra. "A região toda está sendo atendida por nós", afirma Odília.

A cidade vizinha de Mauá, que também teve sua estrutura de campanha desativada no ano passado, registrou seis mortes nas últimas 24 horas.

"Em 30 anos de enfermagem, eu nunca presenciei nada assim. Ontem tinha médicos chorando aqui", diz a diretora.

Um técnico de enfermagem, que preferiu não se identificar, desabafou nos corredores: "Hoje foi puxado. Tá muito cheio e com pacientes mais graves do que o normal", disse ao UOL.

"Isso aqui não pode fechar de jeito nenhum. É o único recurso que a gente tem. A cidade não tem hospital próprio", afirmou Otoniel Alegria, que foi à unidade buscar um amigo, de 64 anos, que teve alta após sete dias internado.

O prefeito da cidade, Clovis Volpi (PL), havia informado que fecharia o Hospital de Campanha no dia 10 de março, por falta de recursos. Após o anúncio, o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC disponibilizou um aporte financeiro no valor de R$ 300 mil que possibilita manter o hospital funcionando por mais um mês.

"Mas, depois do dia 10 de abril, não sabemos como vai ficar", diz Irlene Brandão, responsável técnica de enfermagem da unidade. "Estamos com grande dificuldade para manter a estrutura funcionando."

A Secretaria Estadual da Saúde afirmou ao jornal Agora que "não há nenhum convênio ou contrato vigente entre o governo do estado e o município de Ribeirão Pires" para o hospital de campanha. A pasta diz ter repassado R$ 2,5 milhões e enviado 11 respiradores ao município desde o ano passado.

"Não tem como fechar, pelo bem da população, isso nem devia passar pela cabeça das autoridades", diz Bruno Santos, porteiro da unidade.

Coronavírus