PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
5 meses

Queiroga atribui culpa pelo agravamento da pandemia a problemas no SUS

Lucas Valença

Do UOL, em Brasília

26/05/2021 11h40Atualizada em 26/05/2021 15h04

Em uma audiência pública na Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, atribuiu culpa ao SUS (Sistema Único de Saúde) pelo descontrole da crise sanitária no Brasil causada pela pandemia do novo coronavírus. Na sessão, o médico também afirmou que o governo tem atuado para evitar a transmissão comunitária da cepa indiana.

"O nosso sistema de saúde, a despeito dos avanços que teve nas últimas três décadas, padecia de vicissitudes. Unidades hospitalares sucateadas, urgências lotadas, UTIs lotadas e filas de cirurgias para serem realizadas", disse ele ao enfatizar que parte dos resultados negativos "decorre das carências do nosso sistema de saúde".

Em março deste ano, porém, o governo federal cortou em 72% a verba destinada à manutenção de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) nos estados. Uma reportagem publicada pelo UOL em dezembro de 2020 mostra que em seis meses o SUS havia perdido um de cada três leitos de UTI destinados a pacientes com covid-19.

Sobre a cepa indiana do novo coronavírus, o ministro enfatizou que entregou ao Maranhão, primeiro estado a registrar a entrada da mutação no Brasil, um lote adicional de 300 mil doses de vacina na tentativa de criar um cinturão para eventualmente impedir uma transmissão comunitária do vírus.

Agora, se essa ação é suficiente para conter uma transmissão comunitária, gostaria de dizer que seria, mas o Reino Unido que possui uma sistema de saúde muito mais amadurecido do que o nosso, não conseguiu conter.
Marcelo Queiroga

Questionado sobre a exoneração publicada hoje pelo DOU (Diário Oficial da União) do superintendente da Saúde no Rio de Janeiro, George Divério, Queiroga garantiu que a mudança não contou com "nenhuma" interferência política. Vale lembrar que Divério é um militar da reserva e foi levado ao ministério pelo ex-ministro Eduardo Pazuello.

"Não me compete fazer um juízo de valor, neste momento, de culpabilidade ou não daquele agente público, mas diante do que foi sucitado no Jornal Nacional, o ministro da Saúde tomou a decisão que devia tomar. Exonerei o servidor sem nenhum prejuízo em relação à ampla defesa e ao contraditório", argumentou.

Um outro problema enfrentado pelo Brasil é "mercado de oxigênio (hospitalar) oligopolizado". Para Queiroga, medidas terão de ser tomadas para enfrentar a dependência do país à indústria de oxigênio para fins medicinais.

Queiroga também ressaltou que a pasta ministerial já se prepara para adquirir mais insumos hospitalares para o tratamento da doença. Na audiência, o representante da Saúde contou que, através da Opas (Organização Pan-americana de Saúde), o governo federal já adquiriu 2,5 milhões de itens para o chamado 'kit intubação'.

"O ministério da Saúde, sabedor do caráter insidioso dessa doença, se prepara para ter esses insumos para socorrer estados e municípios, se for o caso", disse.

O representante da Saúde também disse que será assinado no primeiro dia de junho o contrato de 'encomenda tecnológica' com a AstraZeneca para que a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) possa produzir o IFA (Insumo Farmacêutico Ativo), matéria-prima para a produção dos imunizantes.

Coronavírus