PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
6 meses

'Me sinto derrotado', diz cirurgião após deformação em narizes de pacientes

Alguns dos pacientes de Alan Landecker já receberam testes positivos para contaminação com bactéria, que pode destruir nariz  - Reprodução/Site pessoal
Alguns dos pacientes de Alan Landecker já receberam testes positivos para contaminação com bactéria, que pode destruir nariz Imagem: Reprodução/Site pessoal

Do UOL, em São Paulo

15/11/2021 10h58Atualizada em 16/11/2021 16h46

Investigado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público pela deformação nos narizes de seis pacientes em São Paulo, o renomado cirurgião plástico Alan Landecker disse em entrevista ao Fantástico que se sente "um derrotado". Ele negou, no entanto, que tenha cometido erro médico. Além dos pacientes que prestaram queixa, um grupo que chega a 30 pessoas se diz lesada por Landecker.

A Polícia Civil e o Ministério Público investigam a responsabilidade de Landecker na contaminação por bactérias dos pacientes operados por ele em três hospitais diferentes no último ano.

Em junho, uma vistoria da Vigilância Sanitária proibiu a utilização de instrumentos cirúrgicos em sua clínica, que fica em um bairro nobre da zona oeste da capital. O relatório ao qual o Fantástico teve acesso apontaria falhas na esterilização, indicando "risco elevado" de contaminação.

"Não cometi nenhum erro. Sou um ser humano como todos, como os pacientes inclusive", afirmou Landecker em sua primeira entrevista sobre o caso. "Nós, médicos, não somos deuses."

Erros podem acontecer. Mas não são erros por intenção, não são erros propositais, podem ser erros de julgamento. O fato é que não existe nenhuma prova séria, definitiva e confiável de que a equipe médica cometeu qualquer tipo de erro durante o procedimento."
Alan Landecker, cirurgião plástico

Ele diz ter descoberto as infecções em janeiro, quando trocou o local dos procedimentos. Questionado sobre como se sente ao olhar para os pacientes com o nariz deformado, afirmou:

Me sinto um derrotado, porque nós trabalhamos em um nível absurdo de detalhe."
Alan Landecker, cirurgião plástico

Vítimas

Na mesma reportagem, um dos pacientes, o empresário mineiro Veraldino Júnior, disse que ainda convive com o problema. Ele, que toma antibióticos na veia três horas ao dia, precisou suspender um dos remédios porque ele estava causando surdez.

"São 14 meses em que vivo em função de um nariz. Já gastei mais de R$ 300 mil com médico, viagem de avião, medicamento. A parte estética deixou de ser importante para mim. Hoje só quero viver. Quero voltar a trabalhar, a ter uma vida", lamenta Júnior.

A ex-modelo Sarah Cardoso segue em tratamento. Ela diz ter ficado com um buraco no nariz, com a cartilagem exposta.

"É muito difícil você olhar no espelho e não se reconhecer. É muito triste que um sonho seu tenha se transformado em um pesadelo tão longo", afirmou.

Outro lado

Em nota enviada ao UOL, a defesa de Landecker afirmou que "jamais foi interditada pela Vigilância Sanitária da Prefeitura de São Paulo".

"As rinoplastias dos pacientes do Dr. Alan Landecker nunca foram realizadas na clínica e sim nos hospitais Sírio-Libanês Itaim, Vila Nova Star e São Luiz Morumbi. É incomum este surto de infecções que lamentavelmente atingiu alguns pacientes do Dr. Alan Landecker. Em 20 anos de profissão e mais de 4 mil cirurgias realizadas, este foi o único episódio", diz o comunicado assinado pelos advogados Daniel Bialski e Fernando Lottenberg. "A conclusão das investigações mostrará que não houve negligência, imperícia ou imprudência no caso."

Saúde