PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
5 meses

Número de profissionais de saúde afastados pela covid quase triplica em SP

Movimentação na UBS Humaitá, região central de São Paulo; casos de covid voltam a subir - Lucas Borges Teixeira /UOL
Movimentação na UBS Humaitá, região central de São Paulo; casos de covid voltam a subir Imagem: Lucas Borges Teixeira /UOL

Lucas Borges Teixeira

Do UOL, em São Paulo

08/01/2022 15h13

O número de profissionais de saúde afastados por covid na cidade de São Paulo quase triplicou em um mês. De acordo com os boletins da Prefeitura, até a última quinta (6), havia pelo menos 269 funcionários de licença pela doença.

O número é quase três vezes superior aos 90 profissionais afastados com covid quase um mês antes, em 9 de dezembro. No mesmo período, pelo menos dois morreram de doenças respiratórias.

Os dados são atualizados pela Secretaria Municipal de Saúde toda quinta-feira. No último boletim, eram 1.585 profissionais afastados por doenças com quadros respiratórios:

  • 269 com covid;
  • 1.209 com síndrome gripal

No início de dezembro, o número de afastados era mais de 50% menor: 697 com síndromes respiratórias:

  • 90 com covid;
  • 502 com síndrome gripal.

O crescimento se dá em meio à transmissão comunitária da variante ômicron no Brasil, com explosão de casos. Desde o final de dezembro, o estado de São Paulo voltou a apresentar alta em internações depois de meses.

Apesar da elevação, a secretaria municipal, destacou, em resposta ao UOL, que o número de afastados representa apenas 1,6% dos 94.526 profissionais da administração direta e de OSS (Organizações Sociais de Saúde).

A pasta afirmou ainda que não houve impactos significativos na assistência, por causa dos afastamentos, embora o UOL tenha reportado retorno da lotação nas UBSs (unidades básicas de saúde) por causa da covid.

O número de óbitos também não sofreu alta elevada. Segundo o boletim da secretaria, subiu de 105, em dezembro, para 107 profissionais da área que morreram por doenças respiratórias desde o início da pandemia.

Coronavírus