PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
7 meses

Covid: 144,2 milhões de brasileiros completam vacinação, 67,6% da população

Brasil tem mais de 144,2 milhões de pessoas com vacinação completa contra a covid-19 - Danilo Verpa/Folhapress
Brasil tem mais de 144,2 milhões de pessoas com vacinação completa contra a covid-19 Imagem: Danilo Verpa/Folhapress

Colaboração para o UOL, em São Paulo

08/01/2022 20h00

Hoje, o Brasil se manteve na casa dos 144,2 milhões de habitantes com vacinação completa contra a covid-19. Até o momento, 144.291.715 pessoas receberam as duas doses ou a dose única de vacina, o que representa 67,64% da população do país. As informações são do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte, com base nos dados fornecidos pelas secretarias estaduais de saúde.

Desde 10 de dezembro, os dados referentes à vacinação no país estão comprometidos por conta do ataque hacker ao site do Ministério da Saúde, ao aplicativo e à página do ConecteSUS (plataforma que mostra comprovantes de vacinação contra a covid-19). Alguns estados ainda não conseguiram normalizar o acesso ao sistema do governo federal para registrar as informações.

Nas últimas 24 horas, treze estados divulgaram dados de vacinação. Neste período, 68.867 brasileiros tomaram a segunda dose. Ainda houve a aplicação de 27.865 primeiras e 210.109 de reforço, em um total de 303.459 doses ministradas entre ontem e hoje em todo o Brasil.

Devido a uma revisão nos dados do Maranhão, o total de doses únicas aplicadas nas últimas 24 horas no país ficou negativo: -3.382

Ao todo, 161.630.993 brasileiros foram vacinados com a primeira dose, o correspondente a 75,77% da população nacional, e 29.392.368 imunizados com a dose de reforço.

Proporcionalmente, o estado de São Paulo lidera entre aqueles com a maior parcela de sua população com vacinação completa: 78,89% de seus habitantes. Piauí (74,89%), Minas Gerais (72,47%), Mato Grosso do Sul (72,43%) e Distrito Federal (70,77%) vêm a seguir.

O Piauí ocupa o primeiro lugar com relação à porcentagem de aplicação da primeira dose: 83,19% da população local. Na sequência, aparecem São Paulo (82,2%), Santa Catarina (78,76%), Paraná (77,95%) e Minas Gerais (77,68%).

Aumentar intervalo entre doses para crianças é arriscado, dizem médicos

O Ministério da Saúde decidiu aumentar o intervalo entre as doses da vacina contra covid-19 para crianças. A bula do imunizante da Pfizer-BioNTech prevê uma diferença de três semanas entre as duas aplicações. O governo federal informou, em entrevista coletiva, na quarta-feira (5), que adotará intervalo de oito semanas.

A decisão foi criticada por infectologistas e também educadores ouvidos pelo UOL, por não considerar o cenário atual da pandemia de coronavírus, que sugere uma nova onda de infecções a um mês do retorno às aulas presenciais.

À imprensa, o Ministério da Saúde elencou duas motivações para o maior espaçamento entre as doses: maior eficácia na produção de anticorpos neutralizantes e redução de riscos de efeitos adversos —em especial, a miocardite (inflamação do músculo cardíaco).

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, g1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde