PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
4 meses

Covid: país tem média móvel de 52.714 casos conhecidos, a maior em 6 meses

ROBSON ROCHA/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: ROBSON ROCHA/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO

Ricardo Espina, Juliana Arreguy e Isabella Cavalcante

Colaboração para o UOL, em São Paulo e Do UOL, em São Paulo e Brasília

12/01/2022 20h00

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 138 mortes causadas pela covid-19 e 88.464 exames positivos conhecidos para a doença. A média móvel dos novos exames positivos conhecidos da última semana, em alta desde 29 de dezembro, ficou em 52.714. O número é o mais alto já registrado desde 2 de julho, há seis meses.

Os dados são do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte.

A média móvel de mortes da última semana está em 123. Desde o início da pandemia, o país soma 620.419 óbitos em decorrência da covid-19.

Amapá, Acre, Alagoas e Sergipe não registraram óbitos. Paraíba também não informou novas mortes, mas alegou ter passado por instabilidades no sistema de notificação do Ministério de Saúde.

Desde março de 2020, o Brasil teve 22.718.606 casos notificados da doença a partir de testes.

Média de casos em aceleração

A média móvel de casos conhecidos no Brasil está em aceleração de 614%. A variação é calculada comparando a média com o mesmo índice de 14 dias atrás. Se o valor ficar abaixo de -15%, indica tendência de queda; acima de 15%, aceleração; entre os dois valores, significa estabilidade.

A média móvel de casos está em aceleração em 26 unidades federativas. Apenas a Paraíba está em queda.

Média de mortes estável

A média de mortes apresenta estabilidade (7%) no território nacional. Também apresentam tendência de estabilidade as regiões Centro Oeste (-6%) e Nordeste (-8%); já o Norte (127%) e o Sul (59%) estão em alta. O Sudeste (-74%) é a única região em queda.

Dez estados e o Distrito Federal estão em queda, seis em estabilidade, e dez em aceleração. Isso não necessariamente espelha a verdadeira variação de cada um deles, já que muitos dados foram afetados pelo apagão no sistema do Ministério da Saúde.

Veja a situação por estado e no Distrito Federal

Região Sudeste

  • Espírito Santo: queda (-35%)
  • Minas Gerais: alta (18%)
  • Rio de Janeiro: queda (-66%)
  • São Paulo: alta (58%)

Região Norte

  • Acre: estabilidade (0%)
  • Amazonas: alta (20%)
  • Amapá: queda (-43%)
  • Pará: alta (161%)
  • Rondônia: alta (36%)
  • Roraima: queda (-100%)
  • Tocantins: estabilidade (0%)

Região Nordeste

  • Alagoas: alta (300%)
  • Bahia: alta (81%)
  • Ceará: queda (-24%)
  • Maranhão: estabilidade (7%)
  • Paraíba: queda (-43%)
  • Pernambuco: estabilidade (-2%)
  • Piauí: alta (64%)
  • Rio Grande do Norte: queda (-46%)
  • Sergipe: estabilidade (0%)

Região Centro-Oeste

  • Distrito Federal: queda (-38%)
  • Goiás: estabilidade (0%)
  • Mato Grosso: alta (153%)
  • Mato Grosso do Sul: queda (-17%)

Região Sul

  • Paraná: alta (60%)
  • Rio Grande do Sul: queda (-24%)
  • Santa Catarina: queda (-19%)

SP restringe a 70% torcida em futebol e pede que cidades limitem eventos

O governo de São Paulo anunciou hoje uma determinação de limite de 70% na ocupação da torcida em estádios durante jogos de futebol no estado. A regra passa a valer a partir do dia 23 de janeiro, com a volta do Campeonato Paulista.

Para outros eventos que promovam aglomeração, como apresentações musicais, a gestão do governador, João Doria (PSDB) delegou às prefeituras paulistas a decisão de restringir novamente a capacidade de público. Mas a recomendação do estado para os municípios é que haja redução de 30% no número de pessoas presentes eventos públicos.

O anúncio, feito em entrevista coletiva no início da tarde desta quarta-feira, se dá em meio ao avanço das infecções pela variante ômicron, que se mostra mais transmissível do que as outras cepas do vírus. Na capital, a variante já está presente em 80,95% dos exames analisados pelo Instituto Butantan depois de disponibilizados pela Prefeitura de São Paulo.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, g1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Saúde