PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Covid-19: busca por testes cresce 165% na cidade do Rio de Janeiro

Alta procura por testes no Rio de Janeiro causou aumento de 165% na realização de exames - iStock
Alta procura por testes no Rio de Janeiro causou aumento de 165% na realização de exames Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

23/06/2022 09h36

A busca por testes de covid-19 na cidade do Rio de Janeiro subiu 165,5% no mês de junho. Segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde, a quantidade de exames realizados entre as semanas epidemiológicas 22 e 25, que compreende o período de 29 de maio a 25 de junho, foi de 258.729. Nas quatro semanas anteriores os testes realizados foram 97.461.

O conceito de semana epidemiológica é uma forma que especialistas usam como um período de tempo padrão para agrupar os casos e óbitos ou outros eventos epidemiológicos. Ela serve para padronizar a variável de tempo para fins de vigilância.

O aumento na procura pelos testes se dá após o Brasil quebrar uma tendência de alta nos últimos dias no número de mortos pela covid-19, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte. Ontem, o índice chegou a 124. Nas últimas 24 horas, foram registradas 176 mortes pela doença no país.

Não houve variação na média móvel de hoje na comparação com a de 14 dias atrás. O indicador é considerado por especialistas como a maneira mais confiável para acompanhar o avanço ou o retrocesso da pandemia. A média móvel é calculada a partir da média de mortes — ou de casos —, dos últimos sete dias.

Duas regiões do país acompanham o cenário de estabilidade na média móvel de mortes: Norte (-9%) e Sudeste (-9%). Já o Sul registra queda, de -25%. Enquanto outras duas regiões têm alta: Centro-Oeste (56%) e Nordeste (78%).

Além disso, o Brasil teve 70.285 novos casos conhecidos da doença nas últimas 24 horas. Com isso, chegou ao acumulado de 31.894.505 testes positivos.

A média móvel de casos tem 40.677 registros e, pelo quarto dia consecutivo, registra tendência de estabilidade com variação de 9%.

Coronavírus