Conteúdo publicado há 1 mês

Antiviral da Pfizer para covid-19 recebe registro definitivo da Anvisa

O antiviral em comprimido da Pfizer para tratamento da covid-19 recebeu registro definitivo da Anvisa.

O que aconteceu

O Paxlovid tinha uso emergencial liberado desde o ano passado. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária concedeu o registro de forma definitiva. A decisão é de 29 de dezembro.

O uso é indicado para as formas leve e moderada da doença, em pacientes adultos e com risco aumentado de evolução para formas graves. O Paxlovid atua na inibição de uma enzima do SARS-CoV-2.

O antiviral está disponível no SUS e em farmácias particulares. No Sistema Único de Saúde o medicamento é liberado em casos específicos. Já em farmácias, o Paxlovid é vendido por cerca de R$ 4,5 mil, com 30 comprimidos, e a venda é feita somente sob prescrição médica.

O tratamento deve ser iniciado em até cinco dias do início dos sintomas. A Anvisa ressaltou que a bula ainda será publicada no site da agência. Além disso, o órgão ressalta que o Paxlovid não está autorizado para uso por mais de 5 dias.

"Esse é mais um avanço importante no tratamento da doença, especialmente para pacientes com problemas cardíacos, renais, diabetes, idosos, tabagistas, com obesidade ou que tratam câncer, ou outras condições que afetam a imunidade. Ao receber o registro definitivo desse medicamento, reafirmamos mais uma vez sua qualidade, segurança e eficácia", afirma Adriana Ribeiro, diretora Médica da Pfizer Brasil, em nota enviada pela farmacêutica.

O comprimido é composto por dois antivirais. São eles o nirmatrelvir e o ritonavir, e o fármaco age na redução da atividade da enzima 3LC, associada à replicação viral do Sars-CoV-2, para controlar a replicação do vírus nas células humanas.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes