Membros da Opep chegam a acordo surpreendente para corte da produção

Argel, 28 Set 2016 (AFP) - Os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) chegaram a um acordo, nesta quarta-feira (28), para reduzir a produção de petróleo a um patamar entre 32,5 e 33 milhões de barris por dia - anunciaram os ministros de Energia do Catar e da Nigéria.

"Temos um acordo para (cortar a produção), a 32,5-33 milhões de barris por dia", declarou o secretário de Estado do Petróleo da Nigéria, Emmanuel Ibe Kachikwu, após uma reunião informal dos membros do cartel em Argel.

O ministro de Energia do Catar, Mohamed Saleh Al-Sada, confirmou a informação.

"A reunião de Argel foi muito longa, mas histórica", declarou, afirmando que o nível de redução por país será definido antes da próxima reunião do cartel, prevista para 30 de novembro.

O representante do Catar disse que a reunião se desenvolveu "em uma atmosfera muito positiva que reflete a forte coerência na Opep", a fim de impulsionar os preços, que caíram mais de 50% desde meados de 2014.

Os preços do petróleo despencaram devido a uma oferta muito elevada, resultante do "boom" de hidrocarbonetos de xisto americanos e da estratégia da Opep de manter sua produção para não perder fatias de mercado.

O ministro argelino da Energia, Noureddine Boutarfaa, destacou que essa decisão inesperada de cortar a produção foi "unânime e sem reservas".

A possibilidade de um acordo entre os membros do cartel, que produz 40% do petróleo mundial, fez os preços subirem.

O barril de WTI para entrega em novembro subiu US$ 2,38, a US$ 47,05 no mercado de Nova York. Em Londres, o barril de Brent para novembro subiu US$ 2,72, a US$ 48,69.

Um acordo difícilDurante o dia, a expectativa de um acordo era baixa. As divergências, em particular entre a Arábia Saudita - líder do cartel - e o Irã, as duas grandes potências rivais do Oriente Médio, faziam crer que as chances de se chegar a um acordo seriam poucas. Uma reunião parecida em Doha abriu um precedente pouco animador.

O ministro saudita da Energia, Khaled al-Faleh, havia advertido durante o dia que não se devia esperar um acordo nessa reunião.

Khaled al-Faleh havia insinuado que não descartava um possível acordo na próxima cúpula da Opep em Viena, em 30 de novembro.

Vários países produtores, muito dependentes das receitas petrolíferas - entre eles, a Venezuela -, pediram esse congelamento da produção, a fim de estimular o nível das cotações.

No outro extremo, contudo, está o Irã. De volta aos mercados graças à suspensão de sanções internacionais, resultante do histórico acordo de julho de 2015 com as grandes potências, Teerã pressionava para aproveitar seu retorno à praça.

O quebra-cabeças se complicou pelo fato de a Arábia Saudita, como principal produtora mundial, não parecer disposta a ceder e muito menos dar espaço a seu grande rival xiita.

mpa-fz/bur/me/jz/an/cc/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos