Michelle Obama usa sua popularidade para apoiar Hillary

Washington, 28 Out 2016 (AFP) - Michelle Obama, de 52, fez nesta quinta-feira (27) sua primeira aparição ao lado da "amiga" Hillary Clinton, de 69, na campanha pela Casa Branca, dando seu peso como primeira-dama à candidata democrata, na esperança de atrair o voto das mulheres.

"Ela está pronta para ser comandante-em-chefe desde o primeiro dia, e sim, acontece de ela ser uma mulher", disse Michelle, em um comício para 11.000 pessoas, o segundo maior ato da campanha de Hillary.

As duas primeiras-damas - a atual e a ex - se abraçaram calorosamente no palco do comício em Winston-Salem, na Carolina do Norte.

Mais popular do que seu marido, a primeira-dama foi uma pouco frequente - mas contundente - força na campanha eleitoral de 2016, com discursos poderosos contra o candidato republicano, Donald Trump, e a favor de Hillary.

Segundo ela, a ex-secretária de Estado tem "mais experiência do que qualquer candidato nas nossas vidas, mais do que Barack, mais do que Bill".

A primeira-dama disse que os americanos enfrentam duas opções: um candidato "que nos pede que nos voltemos uns contra os outros, construamos muros e tenhamos medo", uma referência ao republicano Donald Trump, e Hillary Clinton, a "força unificadora".

De acordo com a ex-secretária, "está em jogo todo o progresso obtido" pelo presidente Barack Obama e sua "incrível primeira-dama".

O encontro entre ambas era quase impensável há oito anos: as primárias democratas de 2008, entre Obama e Hillary, ficaram amargas e tensas.

Participação é chaveMas as cicatrizes se fecharam e as duas mulheres, ambas nativas de Chicago, viram ser servido em bandeja de prata, por Donald Trump, um tema em comum: a defesa das mulheres, no âmbito das declarações misóginas e degradantes do republicano divulgadas em um vídeo de 2005.

"Sim, Hillary Clinton é minha amiga", ressaltou Michelle, que se tornou, nas últimas semanas, uma dura voz contra o candidato republicano, Donald Trump, e a favor da democrata.

A advogada não hesitou em atacar a retórica estridente do magnata e o que chamou de "intolerável" conduta sexual em relação às mulheres.

Michelle Obama se tornou "nossa arma não tão secreta", reconheceu recentemente Brian Fallon, porta-voz de Hillary.

A menos de 12 dias das eleições presidenciais, Hillary busca capitalizar a fama de uma das figuras mais populares da política americana.

A ex-secretária de Estado está na frente nas pesquisas, com uma vantagem de 5,4% em relação a Trump, segundo a última média das pesquisas do RealClearPolitics.

Em 2012, a Carolina do Norte votou no republicano Mitt Romney, mas escolheu os democratas na atual campanha. Hillary aparece com dois pontos de vantagem nas pesquisas, mas depende de uma forte presença da população negra nas urnas.

"A participação é o que fará a diferença", insistiu Michelle, convocando os eleitores a "arregaçar as mangas" e lotar os centros de votação para derrotar Trump.

Trump insiste na vitóriaO empresário, de 70 anos, insistiu nesta quinta-feira que ganhará as eleições, em discurso no primeiro de três comícios em outro estado-chave: Ohio.

"Em 12 dias vamos ganhar Ohio e vamos ganhar a Casa Branca", afirmou, ressaltando que os americanos "já tiveram o suficiente dos Clinton".

"Vamos para Washington e vamos drenar o pântano", acrescentou.

Trump também anunciou que sua mulher, Melania, usualmente longe dos holofotes, voltará ao foco com dois, ou três, discursos em apoio ao magnata.

O empresário gabou-se de uma nova pesquisa que o situa dois pontos acima - embora dentro da margem de erro - na Flórida, outro estado que pode decidir o destino da eleição.

A pesquisa da Bloomberg de quarta-feira situou Trump com 45%, contra 43% para Hillary, entre os possíveis eleitores na Flórida, uma margem muito apertada para um estado que o milionário não pode perder.

Segundo a média do RealClearPolitics, Hillary segue na frente por 1,6%.

Mas a pesquisa da Bloomberg documentou uma leve vantagem de Trump entre os eleitores independentes, que podem ter a chave da vitória na Flórida.

"Não damos nada como certo", insistiu a candidata.

Na sexta-feira, Barack Obama fará campanha por Hillary na Flórida, um estado que venceu, embora por pouco, em 2008 e 2012. O companheiro de chapa da candidata, Tim Kaine, também se apresentará nesse estado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos