PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Oposição venezuelana avalia em 92% adesão à greve contra Maduro

Opositores de Maduro protestam em meio a greve de 48 horas nas ruas de Caracas - Ronaldo Schemidt/AFP Photo
Opositores de Maduro protestam em meio a greve de 48 horas nas ruas de Caracas Imagem: Ronaldo Schemidt/AFP Photo

Em Caracas

26/07/2017 22h48

A oposição venezuelana estimou nesta quarta-feira (26) em 92% a adesão ao primeiro dia da greve de 48 horas convocada contra o presidente Nicolás Maduro e sua Assembleia Constituinte, cujos delegados serão eleitos no domingo (30).

"Se cumpriu a greve geral em 92% em todo o país. A Venezuela deixou claro a Nicolás Maduro que não vai se calar diante desta fraude constituinte", disse em coletiva o deputado Freddy Guevara em nome da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

O governo, entretanto, considera o protesto um fracasso. De acordo com o presidente da estatal PDVSA, Eulogio Del Pino, a indústria petroleira - fonte de 96% das divisas do país caribenho - operou em "completa normalidade".

"Foi derrotada a tentativa de greve geral, uma vitória da classe trabalhadora (...). O povo não aderiu à greve, as pessoas foram às ruas para trabalhar, viver, construir", expressou Maduro em um ato de campanha pela Constituinte.

Guevara, no entanto, garantiu que o setor petroleiro teve 77% de adesão à greve, enquanto no setor público foi de 82%.

Em sua ofensiva para tentar bloquear a Constituinte, que qualifica como uma manobra de Maduro para perpetuar-se no poder, a oposição fez na última quinta-feira uma paralisação de 24 horas, que afirma ter tido 85% de adesão.

A greve iniciada nesta quarta-feira foi marcada por violentos distúrbios em Caracas e em outras cidades. Um homem de 30 anos morreu na cidade de Ejido (Estado Mérida, oeste), elevando para 104 o número de mortos em quatro meses de protestos contra o presidente.

Internacional