Forças Armadas de Mianmar acusam os rohingyas por bomba em mesquita

Sittwe, Mianmar, 23 Set 2017 (AFP) - O chefe das Forças Armadas de Mianmar, o general Min Aung Hlaing, acusou neste sábado os militares rohingyas de terem colocado uma bomba de fabricação caseira em uma mesquita na sexta-feira (22), cuja explosão não deixou vítimas.

Em comunicado publicado no Facebook, o general declarou que militantes dessa minoria muçulmana implantaram uma "bomba caseira" que explodiu na sexta-feira diante de uma mesquita situada em Mi Chaung Zay, comunidade de Buthidaung.

"É uma ação do grupo terrorista ARSA", acrescentou o comunicado utilizando a sigla do grupo Exército da Salvação dos Rohingyas de Arakan, rebelião organizada que surgiu em outubro de 2016 e cujos ataques de agosto provocaram a repressão das Forças Armadas.

A explosão não deixou vítimas, porémm devido ao bloqueio realizado pelo governo, o acesso à zona não é possível.

Rakáin, estado birmanês, sofre com uma onda de violência desde que, em 25 de agosto, grupos rebeldes rohingyas atacaram várias delegacias e foram repreendidos pelo exército.

Nas últimas semanas, mais de 429.000 muçulmanos rohingyas abandonaram a região de Rakáin e se refugiaram em Bangladesh, em meio ao que a ONU, ativistas dos direitos humanos e alguns líderes mundiais denominam como uma campanha militar de "limpeza étnica".

Porém, o fluxo de refugiados rohingyas em Bangladesh praticamente cessou, declarou neste sábado (23) autoridades locais.

"Nossos guardas da fronteira não viram rohingyas chegarem nesses últimos dias. A onda (de imigração) terminou", disse à AFP uma autoridade dos guardas fronteiriços de Banglahdesh, S.M. Ariful Islam.

Nem Bangladesh ou a ONU explicaram o motivo da queda no número de chegadas de refugiados rohingyas ao local.

hla-ssm/eb/lch/sba/pa.zm/bn/

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos