Ação policial contra referendo deixa quase 40 feridos na Catalunha

Barcelona, 1 Out 2017 (AFP) - A Polícia espanhola recorreu à força neste domingo (1º), na Catalunha, para impedir a realização do referendo sobre a independência, deixando dezenas de feridos.

Os serviços de emergência da Catalunha anunciaram ter atendido, até o momento, 38 pessoas feridas em intervenções policiais para impedir a realização do referendo de autodeterminação.

Em um tuíte, as equipes de saúde relataram que "atenderam a 38 pessoas pelos disparos dos corpos policiais espanhóis".

"Do total, 35 foram levemente feridos, e três, mais gravemente. Nove deles tiveram de ser transportados para um centro médico. Trata-se, basicamente, de contusões, desmaios, ataques de pânico", acrescentaram no Twitter.

De acordo com várias testemunhas, a Polícia usou balas de borracha.

Jon Marauri, originário do País Basco, mostrou uma dessas balas à AFP, recolhidas após uma ofensiva policial contra centenas de manifestantes. Cercados pelos ativistas após apreenderam urnas em uma seção eleitoral, os agentes reagiram atirando. David Pujol, de 37 anos, mostrou o ferimento na perna, causado por uma dessas balas.

Diante da força policial, o presidente catalão, o separatista Carles Puigdemont, denunciou "o uso injustificado, irracional e irresponsável da violência por parte do Estado espanhol".

Segundo ele, a imagem externa do Estado "continua piorando e chegou hoje a níveis de vergonha que vão acompanhá-lo para sempre".

"Será o Estado espanhol que deverá explicar ao mundo o que fez hoje na Catalunha", afirmou a presidente do Parlamento catalão, Carme Forcadell, depois de votar.

O representante do governo espanhol de Mariano Rajoy pediu "solenemente" ao Executivo catalão que ponha fim à "farsa" do referendo.

"O presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, e sua equipe são os únicos responsáveis por tudo que aconteceu ontem e por tudo que poderá acontecer, se não puserem fim a essa farsa", declarou o representante para a Catalunha, Enric Millo, em entrevista coletiva.

- Mais de dez mil homens de reforço -Desde o início da manhã, a Polícia Nacional e a Guarda Civil - duas corporações que enviaram um reforço de mais de dez mil homens para a Catalunha - invadiram vários centros de votação em toda região para apreender urnas e cédulas, na tentativa de impedir a consulta proibida pela Justiça espanhola. Em vários lugares, as portas foram abertas a golpes.

Ainda assim, imensas filas se estendiam em vários postos.

O porta-voz do governo regional catalão, Jordi Turull, disse que 73% das seções eleitorais "estão funcionando".

"Meu voto e a satisfação de ter votado ninguém pode tirar de mim, aconteça o que acontecer. Até chorei, porque há anos que lutamos por isso e vi, diante de mim, uma senhora de 90 anos na cadeira de rodas votando", contou à AFP a eleitora Pilar López, uma funcionária administrativa de 54 anos, na pequena cidade de Lladó.

O próprio Puigdemont não conseguiu votar no ginásio onde estava previsto inicialmente, na localidade de Sant Julià de Ramis, já que a Guarda Civil entrou à força e assumiu o controle.

Lá, a Guarda Civil montou um cordão de isolamento para impedir o acesso a dezenas de pessoas, constatou a AFP.

Os agentes forçaram a porta e invadiram o lugar para retirar o material de votação, diante de um grupo de pessoas que, com os punhos ao alto, cantava "Els Segadors", o hino catalão.

Puigdemont seguiu para uma seção eleitoral próxima para depositar sua cédula. A alteração foi possível, porque, no último minuto, o governo catalão instaurou um cadastro único de eleitores. Com isso, os 5,3 milhões de catalães convocados às urnas poderão votar em qualquer um dos 2.135 postos anunciados.

A prefeita de Barcelona, a esquerdista Ada Colau, também criticou o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy. Este ainda não se pronunciou.

"Um presidente de governo covarde inundou nossa cidade de policiais. Barcelona, cidade de paz, não tem medo", tuitou Ada.

- 'Levaram as urnas à força' -Nos postos que conseguiram abrir, o processo de votação se via seriamente dificultado por problemas de informática. Pela manhã, a Guarda Civil indicou que havia desativado o cadastro universal de eleitores.

No colégio Ramón Llull de Barcelona, a Polícia Nacional primeiro forçou o portão e, depois, a porta de vidro do prédio, em meio a dezenas de pessoas que tentaram barrar sua entrada.

Finalmente, os agentes levaram as urnas, enquanto a multidão gritava "Votaremos!" e "As ruas serão para sempre nossas!", observou um jornalista da AFP no local.

"Levaram as urnas à força, porque os presidentes das mesas agarravam as urnas com as duas mãos. Eles as arrancavam das mãos, literalmente, enquanto nós continuávamos cantando 'Els Segadors' e gritando 'Viva a democracia'", relatou o responsável por essa seção, Marc Carrasco.

Quatro horas antes do início da votação, milhares de cidadãos em Gerona, Barcelona, Lérida, ou Tarragona, haviam-se reunido pacificamente na frente dos centros de votação, para tentar protegê-los do fechamento e do desalojamento ordenado por uma juíza.

"Na Catalunha, estamos no ponto em que acreditamos que é essencial decidir se continuamos com o Estado espanhol", disse à AFP Pau Valls, um estudante universitário de 18 anos que acampou durante a noite no colégio Jaume Balmes, no centro de Barcelona.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos