A "alma soviética" ainda paira sobre Cuba

Em Havana

  • Desmond Boylan/Reuters

    Parque Lênin em Havana, Cuba

    Parque Lênin em Havana, Cuba

Eles se chamam Dimitri Fidel, Natacha, Sacha, Katiuska, Vladimir e são milhares, filhos de três décadas de estreita aliança com a União Soviética (1960-1991), que abrigou quase todos os âmbitos da vida em Cuba.

Nomes e laços de família, edifícios, veículos, eletrodomésticos, parques, escolas, armas e outras tantas coisas em Cuba recordam a União Soviética, quando comemoram os 100 anos da Revolução Bolchevique.

"Na realidade, a presença soviética em Cuba nos acompanha todos os dias, a todo momento", diz à AFP Eugenio Reyes, russo-cubano de 69 anos, que estudou uma carreira militar na antiga URSS.

Trabalhou com soviéticos na ilha como engenheiro de Telecomunicações e em 2004 se casou com a astrônoma russa Svetlana Oparina, de 54 anos. Desde então se dedicam à medicina bioenergética.

Na porta de sua casa passam antigos automóveis Lada e Moskvitch, uma vizinha lava sua roupa em uma velha mas incansável máquina Aurika e jovens se dispõem a ir ao Parque Lenin, o maior de Cuba.

A zombaria crioula, essa essência cubana de fazer piada de tudo, não perdoou certa falta de requinte dos soviéticos nem seu atraso tecnológico, e por esse espírito os batizou como "los bolos".

"As pessoas com pouca ou má informação estabelecem critérios sobre a União Soviética totalmente absurdos, dizem muitos disparates", protesta Reyes. "Os russos me ensinaram a ir a um teatro, a aproveitar uma música clássica, a ir ao balé, a um museu. Isso não foi ensinado a mim por nenhum cubano", acrescenta.

"Bernabé" (Enrique Arredondo), o mais popular personagem humorístico da televisão cubana na década de 1980, advertia as crianças: "ou se comporta bem, ou coloco os desenhos animados russos".

Embora o realismo socialista não tenha penetrado na cultura cubana, os cinemas projetavam filmes soviéticos, geralmente sobre a Segunda Guerra Mundial, com pouca aceitação de um público acostumado à filmografia americana.

Nos bares, a vodca nunca ganhou espaço contra o rum e o uísque.

"O melhor do legado soviético foi o contato com uma cultura cheia de significados novos para Cuba e a amizade pessoal, que às vezes transcendia a criação das famílias", afirma à AFP o antropólogo Dimitri Prieto, de 44 anos, russo-cubano nascido em Moscou.

Segundo Prieto, a migração russa para Cuba é a mais numerosa depois da espanhola.

Nazdarovie (Saúde!)

Cerca de 20.000 técnicos soviéticos trabalharam em Cuba em diferentes áreas nesses 30 anos, explica à AFP Ruslán Reyes, presidente do Conselho de Coordenadores da comunidade russa de origem soviética em Cuba, de cerca de 5.000 membros.

Em torno de 250.000 cubanos estudaram na URSS no mesmo período, acrescenta.

Alguns deles se reúnem no Nazdarovie (Saúde!), um restaurante soviético privado em frente ao dique de Havana.

"Muita gente vem para cá, muita gente chora aqui, pensando nos momentos quando esteve lá. Dizem que é a sua segunda pátria", afirma Dimitri Fidel Hernández, de 32 anos, porteiro, um polovinka (metade), filho de Fidel Vladmir, piloto militar cubano formado em Kirovogrado, na Ucrânia, onde conheceu Tatiana, de 51 anos, sua mãe.

Matrioskas, cartazes soviéticos e samovares ambientam o lugar, onde cozinha Alejandro Fidel Domenech (51), outro polovinka, que é chamado de Sacha por seus colegas e de "o russo" por seus amigos.

"Foram muitos anos de influência russa, da antiga União Soviética e arraigaram muitas das idiossincrasias russas em Cuba, mas há diferenças, nós cubamos somos caribenhos, os russos, europeus", disse.

Camarada não, amigo

Quando a União Soviética se desintegrou em 1990, Cuba recebeu um duro golpe, que desatou uma forte crise econômica. Começou o Período Especial.

Eugenio, Hernández e Domenech, filhos dos últimos soviéticos, recordam com angústia o forte impacto em suas vidas e a incerteza familiar.

O pior da herança soviética foi "o sistema estatal, com a nomenclatura de quadros cooptados pelo aparelho do Partido Comunista", afirma Prieto.

Desde 2007, Raúl Castro se empenha em "atualizar o modelo econômico" cubano, reconhecendo que anterior se esgotou.

As relações entre os dois países esfriaram, sobretudo no governo de Boris Iéltsin (1991-1999), mas pouco a pouco os russos foram regressando, já não como tavarich (camarada), mas como drug (amigo) não comunista.

Importante sócio comercial, a Rússia também colabora com amplos créditos e tecnologias em transporte, eletricidade, indústria pesada, vendas de petróleo, e está prevista a chegada de Ladas moderno,.

O número de turistas russos em Cuba nos primeiros cinco meses de 2017 foi de 47.000, quase o dobro do mesmo período de 2016.

Para Hernández, ser um polovinka é sentir "que é um pedaço da história, do que era antes, do que é agora" a relação entre os dois países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos