Abe: disparo norte-coreano é 'ato violento' que 'não pode ser tolerado'

Tóquio, 28 Nov 2017 (AFP) - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, qualificou de "ato violento" que "não pode ser tolerado" o disparo de um míssil, efetuado pela Coreia do Norte na madrugada de quarta-feira (tarde de terça no Brasil) e pediu uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU.

"Nunca cederemos ante nenhum ato de provocação. Reforçaremos nossa pressão" sobre Pyongyang, declarou Shinzo Abe à imprensa.

Pouco antes, o ministro da Defesa, Itsunori Onodera, avaliou que o projétil deve ter caído na zona econômica exclusiva marítima do Japão.

"Supomos que caiu no interior da nossa zona econômica exclusiva", disse à imprensa.

O Pentágono informou que o projétil voou 1.000 km antes de cair no mar do Japão.

O Japão "seguiu totalmente" sua trajetória, declarou Abe. "Protestamos fortemente".

Ao disparar o míssil, a Coreia do Norte não levou em conta "a vontade forte e unida da comunidade internacional de alcançar uma solução pacífica", destacou o premiê.

"A comunidade internacional tem que aplicar as sanções à perfeição e em uníssono", prosseguiu.

bur-ric-uh/es/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos