Tribunal Constitucional espanhol suspende posse de Puigdemont

Madri, 27 Jan 2018 (AFP) - O Tribunal Constitucional espanhol anunciou neste sábado a suspensão da posse, prevista para terça-feira, de Carles Puigdemont, exilado na Bélgica, como presidente da Catalunha.

O ex-presidente, destituído pelo governo espanhol após a proclamação da independência da Catalunha em 27 de outubro, foi para a Bélgica antes da publicação de uma ordem de detenção.

Eçe foi o único candidato o posto de presidente do parlamento regional. A posse estava prevista para terça-feira no Parlamento, onde os separatistas são maioria. Puigdemont desejava fazer o juramento por videoconferência, ou sendo representado por outro deputado.

Após horas de debates dos onze juízes presentes da instância, o Tribunal o impede.

"O Tribunal Constitucional, por unanimidade, suspende preventivamente a posse de Puigdemont salvo se comparecer pessoalmente ao Parlamento com autorização judicial", indica a corte em um comunicado difundido ao final da longa reunião.

A única possibilidade aberta no momento para que Puigdemont seja nomeado presidente da região autônoma seria o seu regresso à Espanha, onde ele seria preso para, em seguida, solicitar liberdade provisória para comparecer no Parlamento.

"Os Magistrados consideram imperativo que Puigdemont vá pessoalmente à Câmara e que, para isso, obtenha autorização prévia do juiz que está conduzindo o processo criminal em que sua detenção foi acordada" por rebelião e sedição, afirma o texto.

Os magistrados alertam os outros membros do Parlamento catalão sobre "as responsabilidades, inclusive as criminais, de que podem incorrer se desobedecerem essa suspensão".

O Tribunal evitou pronunciar-se imediatamente sobre um recurso controverso formulado pelo governo de Mariano Rajoy com o qual procura desafiar a nomeação de Puigdemont como candidato.

Os magistrados têm dez dias para decidir se aceitam examinar o recurso, apresentado apesar da notificação desfavorável do Conselho de Estado, órgão consultivo do governo.

Nesse intervalo, o tribunal examinará o recurso interposto pelos deputados do partido Puigdemont, Junts per Catalunya, em resposta ao governo espanhol. Os magistrados explicam que aceitaram ouvir os argumentos dos deputados, incluindo Carles Puigdemont.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos