As primeiras-damas coreanas e sua paixão pela música

Seul, 27 Abr 2018 (AFP) -

À primeira vista, as primeiras-damas coreanas não têm nada em comum. Uma está na faixa dos 20 anos e vive reclusa no Norte, enquanto a outra mora no Sul capitalista. Ambas compartilham, porém, a paixão pela música e pelo canto.

Tanto Ri Sol-ju quanto Kim Jung-sook - as duas presentes no banquete organizado por ocasião da cúpula intercoreana nesta sexta-feira (27) - eram cantoras profissionais até se casarem.

Com frequência, Ri aparece ao lado do marido, Kim Jong-un, em eventos oficiais, como aconteceu na cúpula em Pequim, no mês passado, com o presidente chinês, Xi Jinping. A mulher deste último, Peng Liyuan, também é cantora.

A elegante Ri, que seria mãe de três filhos com Jong-un, já era uma figura pública antes do casamento, trilhando carreira como cantora do grupo Unhasu.

Trata-se de uma banda de prestígio, cujos integrantes são escolhidos por seu talento, mas também pela beleza e pela fidelidade ao regime.

Os dois se casaram em 2009, mas a cantora passou a ser apresentada como mulher de Kim somente em 2012, após a chegada do jovem e inexperiente líder ao poder na sequência da morte de seu pai um ano antes.

Ela foi rapidamente considerada uma mulher com papel influente, aparecendo ao lado do marido em "visitas de orientação no terreno" e em reuniões com líderes estrangeiros.

Ri é conhecida por seu gosto pela moda e usa roupas e artigos de luxo. Recentemente, teria sido vista usando uma bolsa Christian Dior.

Suas aparições públicas significam um ponto de virada em relação à prática adotada pelo pai e pelo avô de Kim Jong-un. Antes, suas mulheres raramente eram vistas em público, e suas biografias, praticamente confidenciais.

Nos últimos dias, Ri foi descrita na imprensa oficial como a "Respeitada Primeira-Dama" da Coreia do Norte, marcando a primeira vez em que esse adjetivo é usado nessas circunstâncias, em mais de 40 anos e em um país profundamente patriarcal.

Em paralelo, ela fazia sua primeira aparição pública solo. Para os analistas ouvidos pela AFP, essa mudança seria parte dos esforços para mostrar a Coreia do Norte como um "Estado normal", às vésperas da cúpula intercoreana e da reunião prevista para acontecer com o presidente americano, Donald Trump.

- 'Gangnam Style' -Também cantora, a primeira-dama sul-coreana, Kim Jung-sook, tem 63 anos. Durante um tempo, atuou no coral municipal de Seul até se tornar dona de casa e mãe de dois filhos, após o casamento.

Enquanto Moon escalava os degraus do poder na política, ela ganhava seu espaço na opinião pública, graças à sua natureza alegre e extrovertida. Já seu marido é, com frequência, descrito como um homem muito discreto.

Seus talentos como cantora foram exibidos em uma série de eventos públicos. No ano passado, por exemplo, durante uma visita às Filipinas, ela cantou a "dança do cavaleiro", popularizada pela estrela do K-pop Psyans em seu "Gangnam Style". Um comportamento bem diferente de suas antecessoras, silenciosas e tímidas, à sombra do marido.

O casal se conheceu na universidade, em Seul, onde ela estudava canto clássico, e Moon, Direito, enquanto também militava pela ditadura militar da época.

O presidente sul-coreano conta que os dois se apaixonaram quando Kim cuidou dele após cair inconsciente atingido por uma granada de gás lacrimogêneo. Kim também o apoiou quando ele ficou preso por conta de sua militância.

Fato extremamente raro na Coreia do Sul, foi ela que o pediu em casamento, desafiando os pais, que não viam com bons olhos esse filho de refugiados pobres da Coreia do Norte.

jhw/slb/ev/jac/pg/tt

CHRISTIAN DIOR

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos