Topo

Polícia investiga outros dois missionários em caso de americano morto por tribo

2018-12-01T11:36:00

01/12/2018 11h36

Port Blair, Índia, 1 dez 2018 (AFP) - A polícia indiana anunciou neste sábado que está investigando o papel de dois missionários americanos que teriam encorajado John Chau a ir a uma ilha isolada, onde ele foi morto por uma tribo que ele queria cristianizar.

"Estamos investigando o papel de pelo menos dois americanos, um homem e uma mulher, que conheceram o homem que foi para a ilha", declarou à AFP Dependra Patrak, chefe da polícia do arquipélago de Adaman e Nicobar, na Baía de Bengala.

"Essas duas pessoas, que deixaram o país, conduziam atividades evangélicas e o encorajaram a ir para a ilha", ressaltou.

A polícia ainda não tem pistas sobre o corpo de John Chau, acrescentou ele. O americano de 26 anos foi morto no dia 17 de novembro por flechadas de uma tribo de caçadores-coletores que vive reclusa na ilha de Sentinela do Norte.

O policial não identificou o casal, descoberto pelas autoridades graças a chamadas registradas no telefone de John Chau de "números de telefones celulares locais", ou forneceu detalhes da organização a que pertencem.

A polícia prendeu sete pessoas até agora, incluindo seis pescadores que ajudaram John Chau a chegar até a ilha e que relataram sua morte.

A polícia já fez três viagens de reconhecimento perto da ilha, procurando descobrir se o corpo de John Chau poderia ter sido exumado e depositado na praia, onde foi morto.

Em 2006, dois pescadores indianos, cujo barco ficou à deriva, foram mortos em Sentinela do Norte e, uma semana depois, seus corpos foram expostos na praia de frente para o mar.

"Já faz quase duas semanas e parece improvável que o corpo do americano seja exumado", disse o chefe de polícia.

Antropólogos e defensores dos povos indígenas pediram que a Índia não tente recuperar os restos mortais para não ameaçar os sentinelas, introduzindo agentes infecciosos.

bb-tw/rox/lch/mct/mr

Mais Internacional