PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Maduro diz que está disposto a se encontrar com opositor Juan Guaidó

Em Caracas

25/01/2019 16h44

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, expressou nesta sexta-feira a vontade de se reunir com o líder parlamentar Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino, para iniciar um "diálogo nacional"."Estou comprometido com o diálogo nacional. Hoje, amanhã e sempre estarei comprometido e pronto para ir aonde tenho que ir. Pessoalmente, se tiver que ir ao encontro desse rapaz (...), vou", disse Maduro em entrevista coletiva, referindo-se a Guaidó .

Quase simultaneamente, Guaidó assegurou que não se prestaria a um "falso diálogo" com o governo de Maduro. "A repressão, quando não funciona para eles, se torna um falso diálogo (...) Devemos ser muito claros: ninguém aqui se prestará a um falso diálogo", disse Guaidó, em entrevista coletiva na praça de Chacao (leste), primeira aparição pública desde quarta-feira.

O líder parlamentar opositor também convocou uma "grande mobilização" para a próxima semana para exigir a saída de Maduro. "Os que acreditam que murchamos, vão ficar na vontade porque aqui tem gente na rua para muito tempo até que consigamos o cessar da usurpação, um governo de transição e eleições livres", disse Guaidó, em uma praça de Chacao (leste), ao destacar que a data será informada no domingo.

Como parte da ofensiva opositora, o líder parlamentar pediu no sábado a seus seguidores para se organizar com seus líderes locais e no domingo, para replicar e difundir a lei de anistia que propôs aos militares que não reconheçam Maduro.

"Chegou o momento de se colocar ao lado da Constituição, de respeitar e se posicionar ao lado do povo", disse Guaidó, ao enviar uma mensagem à Força Armada, que na quinta-feira manifestou sua "lealdade absoluta" a Maduro.

Centenas de seguidores repetiam em coro na praça: "Presidente, presidente", "Guaidó, amigo, o povo está contigo!", "Sim, podemos!".

Ao mesmo tempo que Guaidó chefiava o comício em Chacao, o chefe de Estado socialista dava uma coletiva de imprensa no Palácio de Miraflores, em que reiterava as denúncias de um "golpe de Estado em andamento".

Guaidó se autoproclamou presidente interino invocando o artigo 233 da Constituição, que destaca a existência de uma vacância de poder com a renúncia, a incapacidade mental, a morte do presidente ou o abandono do cargo, um ponto polêmico, pois o Congresso já o tinha declarado em 2017, embora suas decisões sejam consideradas nulas pela Corte suprema.

Na quarta-feira passada, governistas e opositores foram às ruas maciçamente nas primeiras grandes manifestações desde os protestos de 2017, que deixaram 125 mortos.

Internacional