PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump quer mais dinheiro para militares e menos para diplomacia e ajuda

12/03/2019 21h14

Washington, 13 Mar 2019 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, quer aumentar o orçamento de Defesa, cortando os fundos para a diplomacia e a ajuda internacional, segundo as cifras publicadas nesta terça-feira (12) pelo Pentágono, que incluem uma parcela especial para a crise na Venezuela.

Se o projeto for aprovado, o que parece pouco provável dada a previsível oposição do Congresso, os gastos militares alcançarão 750 bilhões de dólares no ano fiscal de 2020, que começa em outubro de 2019, em comparação com os 715 bilhões do ano anterior.

Essa cifra cobre o orçamento do Pentágono (718,3 bilhões) e os gastos dedicados pelo Departamento de Energia à manutenção e ao abastecimento de combustível do arsenal nuclear americano (32 bilhões).

A título de comparação, o orçamento do Departamento de Estado e da agência internacional para o desenvolvimento (Usaid) será reduzido para 42,8 bilhões de dólares, em relação aos 55,8 bilhões concedidos pelo Congresso no ano passado.

Será incluída, no entanto, uma parcela especial para a crise na Venezuela no orçamento.

"A continuação da assistência para a Venezuela integra uma flexibilidade para dar fundos adicionais com o objetivo de apoiar a transição para a democracia ou de responder a uma crise lá, incluindo a autoridade para transferir até 500 milhões de dólares", informou o Departamento de Estado.

O gasto militar previsto representa 17 vezes o da diplomacia, mas o secretário de Estado, Mike Pompeo, declarou nesta terça-feira que está convencido de ter os "recursos suficientes".

Mais de uma dezena de generais aposentados protestaram, porém, contra os cortes, em uma carta aberta.

O projeto dedica 66,7 bilhões de dólares às operações exteriores em curso (Afeganistão, Síria, Iraque, Somália, etc.), uma queda de 3% em um ano.

A participação financeira de Estados Unidos na coalizão internacional contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) vai sofrer um corte de 22%, mas continua sendo uma parcela significativa, com 6,9 bilhões.

O resto desse aumento orçamentário é dedicado ao trecho de muro que Trump quer levantar na fronteira com o México.

Um total de 3,6 bilhões de dólares está previsto para a construção de uma "barreira fronteiriça", aos que se adicionam outros 3,6 bilhões destinados a reembolsar os fundos inicialmente destinados à construção militar que o presidente utilizou no exercício de 2019 mediante o procedimento de decretar uma "emergência nacional", explicou uma representante do Pentágono, Elaine McCusker.

Trump quer reorientar 5 bilhões do orçamento do Departamento de Segurança Interior, com o qual o total destinado ao muro sobe para 8,6 bilhões de dólares.

sl-an/gma/db

Internacional