PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Nova Zelândia prepara sepultamento de vítimas do massacre em mesquitas

17/03/2019 19h47

Christchurch, Nova Zelândia, 17 Mar 2019 (AFP) - Ajudados por escavadoras, trabalhadores começaram a cavar nesta segunda-feira (noite de domingo, 17, no Brasil) túmulos no cemiterio de Christchurch para receber os 50 fiéis muçulmanos assassinados em duas mesquitas, cujas famílias reivindicavam os corpos para submetê-los aos ritos muçulmanos.

Segundo o costume islâmico, o sepultamento deve ocorrer 24 horas depois da morte e embora os legistas esperassem terminar seu trabalho a tempo para as cerimônias fúnebres, eles insistiram em que não podem se precipitar nas investigações.

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, que fez duas aparições públicas coberta com um véu para expressar sua solidariedade à comunidade muçulmana, anunciou neste domingo que os primeiros corpos seriam entregues às famílias no domingo à noite e o restante até a quarta-feira.

"Foi feita tomografia computadorizada, colhidas impressões digitais e retirados os pertences de todos os falecidos", disse a legista chefe Deborah Marshall, acrescentando que foram colhidas, ainda, impressões dentárias e realizadas necropsias.

Um jornalista da AFP viu na segunda-feira cedo trabalhadores e escavadoras preparando dezenas de túmulos em um cemitério de Christchurch, embora não estivesse claro quando os funerais vão poder começar.

O autor do massacre é um extremista australiano, Brenton Tarrant, que, ante o tribunal que o indiciou no sábado (16), fez com a mão direita um gesto típico de grupos supremacistas brancos.

Esse ex-preparador físico, "fascista" autoproclamado, documentou sua radicalização em um longo manifesto de cerca de 70 páginas, cheio de teorias da conspiração e ideias racistas.

Nesta segunda (noite de domingo), unidades antiterroristas da Polícia australiana fizeram batidas em duas residências em Nova Gales do Sul, onde Tarrant cresceu.

"O objetivo é obter evidências que possam ajudar a polícia da Nova Zelândia em sua investigação", informaram as autoridades australianas.

- As homenagens continuam -Os neozelandeses continuavam realizando homenagens às vítimas este domingo, enquanto surgiam mais informações sobre o massacre.

Muitos moradores de Christchurch depositaram flores e cartas em homenagem aos mortos junto aos dois locais de culto onde ocorreram os ataques.

Paralelamente, a polícia neozelandesa fechou o aeroporto de Dunedin em razão de um pacote suspeito, segundo as autoridades. Uma equipe especializada foi enviada para determinar a natureza do pacote.

O governo paquistanês confirmou a morte de nove paquistaneses no massacre, e anunciou que vai homenagear uma de suas vítimas. Um vídeo do ataque mostra um homem sendo morto ao se aproximar do atirador, enquanto que outros fogem a sua volta. O homem seria Naeem Rashid e seu filho também morreu no ataque.

"Estamos com nossos irmãos e irmãs muçulmanos", dizia um cartaz enorme instalado sobre o mar de flores, em frente a uma das mesquitas.

Fiéis da Igreja anglicana de Christchurch rezaram neste domingo em sua "catedral de papelão", construída após o terremoto de 2011.

"Aprendemos que em tempos difíceis é bom estarmos juntos", disse o sacerdote Lawrence Kimberley.

- Vítimas de 3 a 77 anos -Uma lista, ainda provisória, menciona detalhes das vítimas, mostrando que tinham entre 3 e 77 anos e que pelo menos quatro eram mulheres.

Muitas vítimas eram nativas, mas outras eram originárias de vários países muçulmanos, disse Arden.

Quatro egípcios, um saudita, um indonésio, quatro jordanianos, seis paquistaneses e cinco indianos estão entre elas.

- Atos de heroísmo -Em meio à comoção, histórias de estranhos que agiram heroicamente durante a tragédia começaram a aparecer.

O site de notícias Stuff.co.nz publicou a proeza de Abdul Aziz, um afegão, descrito como um "herói" por ter arriscado sua vida para afugentar o assassino.

Este homem, de 48 anos, explicou que, depois de ouvir os tiros, saiu da mesquita de Linwood deixando seus filhos dentro.

Uma testemunha confirmou que ele perseguiu o atacante, que estava a caminho de seu carro para pegar uma nova arma.

Abdul Aziz conseguiu passar entre vários carros estacionados e pegar uma arma descarregada que o agressor havia jogado no chão.

De acordo com este homem, ele correu "como uma flecha" para o veículo do assassino e quebrou uma das janelas. "É por isso que teve medo", disse Abdul Aziz, indicando que o indivíduo decidiu então fugir de carro.

Uma ação que talvez tenha impedido mais mortes, já que dois policiais prenderam o agressor pouco depois.

Segundo as autoridades locais, 34 pessoas permanecem hospitalizadas.

Entre os feridos há uma menina de apenas 4 anos, Alin Alsati, que estava em uma das mesquitas com seu pai e que levou três tiros.

O pai da menina também foi ferido no tiroteio. A família emigrou recentemente da Jordânia e o pai abriu uma barbearia.

"Por favor, orem por mim e minha filha", disse ele em um vídeo postado no Facebook do hospital.

- A família do atirador, destruída -A família do atirador declarou à TV australiana estar destruída pelo ocorrido.

"Estamos todos pasmos, não sabemos o que pensar", disse a avó de Tarrant, Marie Fitzgerald, ao australiano Channel 9. "Destruídos é a palavra certa."

A irmã e a mãe do suposto autor do massacre foram colocadas sob proteção policial, e sequer familiares podem ter contato com as mesmas.

Tarrant, que cresceu na pequena cidade de Grafton, parece ter sido cativado pela ideologia neofascista durante suas múltiplas viagens à Europa. Autoridades gregas, assim como búlgaras, revelaram neste domingo que ele esteve nas ilhas gregas de Creta e Santorini em março de 2016, originário de Istambul.

Internacional