Topo

Irã supera limite de enriquecimento de urânio estabelecido em acordo

Majid Asgaripour/Mehr News Agency/Reuters/Arquivo
Imagem: Majid Asgaripour/Mehr News Agency/Reuters/Arquivo

Em Teerã

08/07/2019 08h36

O Irã anunciou hoje que começou a enriquecer urânio a mais de 4,5%, um nível proibido pelo acordo internacional de 2015 sobre o seu programa nuclear.

"Esta manhã, o grau de pureza do urânio (enriquecido) produzido (pelo Irã) atingiu 4,5%", indicou a agência de notícias Isna, citando Behruz Kamalvandi, porta-voz da Organização Iraniana de Energia Atômica (OIEA).

"Este grau de pureza é perfeitamente suficiente para as necessidades do país em termos de combustível para central nuclear", acrescentou Kamalvandi, segundo a Isna.

O governo havia anunciado no domingo que começaria a enriquecer urânio a um nível superior a 3,67%, definido no acordo internacional de 2015 sobre o programa nuclear iraniano.

Segundo Ali Akbar Vélayati, conselheiro do guia supremo iraniano, as necessidades do país para suas "atividades (nucleares) pacíficas", a saber a alimentação de sua única central atômica, corresponde a um enriquecimento de urânio a 5%.

Este nível continua muito distante dos 90% necessários para a fabricação de uma bomba atômica.

Em reação ao anúncio, a União Europeia (UE) pediu que o Irã pare o enriquecimento acima dos níveis definidos no acordo de 2015.

"Instamos encarecidamente o Irã a parar e reverter todas as atividades que sejam incompatíveis com os compromissos contraídos" no âmbito do acordo nuclear, declarou Maja Kocijancic, porta-voz da diplomacia europeia.

Dizendo-se "preocupada", a Rússia pediu "diálogo" com a República Islâmica.

"A Rússia espera prosseguir o diálogo e os esforços diplomáticos", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, acusando os Estados Unidos de serem responsáveis pelas tensões atuais.

A China também denunciou as atitudes americanas como causas das tensões. "A pressão máxima dos Estados Unidos sobre o Irã é a fonte da crise nuclear iraniana", afirmou Geng Shuang, um porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

Internacional