Topo

Bolsonaro diz que dados "falsos" do desmatamento prejudicam sua imagem e do Brasil

01/08/2019 22h29

Brasília, 2 Ago 2019 (AFP) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar nesta quinta-feira os dados alarmantes sobre desmatamento da Amazônia publicados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que é um órgão do governo, e afirmou que esse tipo de informação "que não condiz com a verdade" prejudicam sua imagem e a do Brasil.

O presidente e vários ministros, entre eles o do Meio Ambiente, Ricardo Salles, rebateram numa coletiva de imprensa de mais de uma hora as leituras de imagens de satélite divulgadas nas últimas semanas pelo Inpe.

"Parece que [o desmatamento] está aumentando, mas não da forma como foi divulgado", declarou Bolsonaro.

"Uma notícia como essa que não condiz com a verdade tem um estrago muito grave na imagem do Brasil", acrescentou o presidente.

"A fama do Brasil e a minha é péssima lá fora ainda, tendo em vista os rótulos que foram colocados em mim. E esses rótulos têm que ser, aos poucos, combatidos na forma da verdade", afirmou.

Segundo o Inpe, os alertas de desmatamento emitidos por seu sistema de detecção em tempo real (Deter) aumentaram em junho em 88% em relação ao mesmo mês de 2018. Nos últimos 12 meses, o aumento foi de 40%, de acordo com dados divulgados pelo Estado de São Paulo.

Salles defendeu que os índices "divulgados pela imprensa não são corretos", sem oferecer outros; criticou também a "fragilidade" do Deter e prometeu um novo sistema de detecção com imagens de alta resolução para detalhar áreas desmatadas.

Mostrando imagens de satélite, disse que pelo menos um terço do total do desmatamento em junho indicado pelo Inpe aconteceu em anos anteriores, principalmente em 2017 e 2018.

"A nossa preocupação não é trabalhar para criar número, seja número qual for. É dizer que o número, da forma como foi apresentado, e a análise que foi feita, não estavam corretos" e "só alimenta a indústria de manchetes sensacionalistas", afirmou.

- "Sem soluções concretas"Os argumentos de Bolsonaro não convenceram as organizações ambientalistas.

"O presidente e três ministros passaram uma hora criticando a ciência e tentando maquiar a realidade. Em nenhum momento apresentaram soluções concretas para o problema real do desmatamento", denunciou Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace.

"Ao colocar em dúvida os dados do Instituto, o governo apenas tenta esconder a verdade", acrescentou.

No Brasil se encontra 60% da selva amazônica, considerada o "pulmão do planeta", ameaçada pelo avanço da agricultura, da pecuária e por mineradoras, entre outras atividades.

Após a divulgação dos dados de junho, Bolsonaro acusou o diretor do Inpe, Ricardo Galvão, de estar "a serviço de alguma ONG".

E nesta quinta-feira advertiu que "se [Galvão] quebrar a confiança, será destituído sumariamente".

jm/js/lca

Internacional