PUBLICIDADE
Topo

Bolivianos acampados em Santiago poderão voltar ao seu país após quarentena

28.abr.2020 - À espera de repatriação, cerca de 400 bolivianos acampam em frente ao consulado do país em Santiago, no Chile - Marcelo Hernandez/Getty Images
28.abr.2020 - À espera de repatriação, cerca de 400 bolivianos acampam em frente ao consulado do país em Santiago, no Chile Imagem: Marcelo Hernandez/Getty Images

28/04/2020 19h31Atualizada em 28/04/2020 19h58

Santiago, 28 Abr 2020 (AFP) - Cerca de 400 bolivianos —incluindo várias crianças— que montaram um acampamento em Santiago, em frente ao consulado de seu país, serão transferidos para a cidade de Iquique, no norte do Chile, onde ficarão em quarentena por 14 dias. Depois deste período, eles poderão retornar à Bolívia, segundo informou o ministro das Relações Exteriores chileno, Teodoro Ribera.

"Essas pessoas vão se mudar para Iquique o mais rápido possível, onde vão ficar em quarentena. Essa quarentena (...) será reconhecida na Bolívia", disse Ribera, após uma reunião por telefone com a ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric.

A viagem a Iquique (1.800 km ao norte de Santiago) será feita de ônibus, acrescentou Ribera.

A maioria dos bolivianos viajou para o Chile no início do ano para trabalhar em postos temporários na colheita de frutas —principalmente uvas— na zona central do país.

Incapaz de realizar a viagem de volta devido ao fechamento das fronteiras impostas pelo governo boliviano, o grupo se reuniu em um parque localizado nos arredores do consulado da Bolívia na capital chilena.

"Todas as pessoas passaram a noite aqui no frio, mas temos que aguentar. Não temos água nem eletricidade, e não podemos nos comunicar com o nosso país", disse à AFP Delfín Ávila, 30 anos, da cidade boliviana de Sucre.

Sem banheiros ou acesso à água potável e sob baixas temperaturas durante a noite, o local é um foco potencial de disseminação de doenças.

"Eles não estão a uma distância de um metro, não têm álcool em gel, não têm luvas", disse à AFP Sergio Micco, diretor do Instituto Nacional Autônomo de Direitos Humanos, que chegou ao local para verificar as condições das pessoas que acamparam.

O Chile e a Bolívia não têm relações diplomáticas formais desde 1978 e mantêm seus laços apenas no nível consular.

Na semana passada, cerca de 450 bolivianos conseguiram retornar ao país depois de completar uma quarentena em um abrigo na cidade de Iquique, no norte do Chile. Antes de voltar para suas casas, eles tiveram que passar por outra quarentena na cidade boliviana de Pisiga.

Coronavírus