PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Londres saúda disposição da UE para desbloquear o Brexit, mas alerta sobre mudança de posição

O governo britânico cogita desistir de alguns dos aspectos mais polêmicos do projeto de lei que viola alguns dos artigos do primeiro tratado de Brexit - AFP
O governo britânico cogita desistir de alguns dos aspectos mais polêmicos do projeto de lei que viola alguns dos artigos do primeiro tratado de Brexit Imagem: AFP

19/10/2020 14h14

O governo britânico saudou hoje a disposição da União Europeia de retomar as negociações comerciais pós-Brexit, mas reiterou que "não faz sentido" negociar sem uma mudança na posição do bloco.

Em um novo dia de idas e vindas entre Londres e Bruxelas, os dois principais negociadores, o francês Michel Barnier e o britânico David Frost, mantiveram um diálogo telefônico, cujo objetivo principal era tentar dissipar - na medida do possível - as tensões.

Em uma mensagem no Twitter, Barnier disse que reforçou a disposição da UE de intensificar as negociações esta semana, mas insistiu em mencionar que aguardava uma "reação" de Londres.

Por sua vez, o ministro britânico de Gabinete, Michael Gove, disse ao Parlamento que "não faz sentido continuar negociando. Enquanto a UE mantiver sua posição, esses debates não terão sentido".

Gove observou que o governo britânico "acolhe com satisfação" a mensagem de Barnier sobre sua disponibilidade para "intensificar as negociações em Londres esta semana, sobre todos os assuntos e com base em textos legais".

"Obviamente, temos que ter certeza de que trabalharemos com base na intensificação que eles propõem", ponderou Gove.

"Prefiro olhar para o futuro com otimismo do que olhar para trás com raiva", concluiu.

As negociações estão atualmente paralisadas depois que a delegação britânica se opôs a continuar as negociações até que houvesse uma "mudança fundamental na posição" dos europeus. Um porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson chegou a garantir que para Londres as negociações comerciais estavam "encerradas".

"A bola está no seu campo", insistiu domingo o ministro do governo britânico, Michael Gove, nessa disputa entre Londres e Bruxelas.

Ele acrescentou que a possibilidade de continuar as negociações permanece "entreaberta" se a UE mudar "sua posição".

O vice-presidente da Comissão Europeia, Maros Sefcovic, reuniu-se esta segunda-feira de manhã com Gove para discutir a aplicação do primeiro acordo Brexit, alcançado em 2019 e que foi consumado no dia 31 de janeiro com a saída oficial do Reino Unido da União Europeia.

Segundo a agência Bloomberg, o governo britânico cogita desistir de alguns dos aspectos mais polêmicos do projeto de lei que viola alguns dos artigos do primeiro tratado de Brexit, o que poderia facilitar as negociações com a UE.

O anúncio deste projeto de lei indignou os líderes europeus e dificultou as negociações com Bruxelas, que abriu um procedimento de infração contra o Reino Unido.

Esta polêmica iniciativa legislativa, que será debatida nesta segunda e terça-feira na Câmara dos Lordes, também tem muitos críticos entre os britânicos.

Caso Londres e Bruxelas não cheguem a um acordo comercial, as autoridades britânicas garantem que seria assumido o "não acordo" e que as tarifas alfandegárias entre o Reino Unido e os 27 países membros da UE seriam restabelecidas, o que poderia ter duras consequências econômicas em um antigo Continente já enfraquecido pelo coronavírus.

As negociações giram em torno de três questões: o acesso dos europeus aos estoques pesqueiros em águas britânicas, as garantias exigidas por Londres em termos de concorrência e a forma como as divergências comerciais seriam resolvidas no futuro tratado.

O governo britânico vai pedir às empresas nesta semana que acelerem seus preparativos para se adaptar às novas regras alfandegárias que serão aplicadas a partir de janeiro.

Internacional