PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Diretor da OMS alerta que os pobres podem ser "pisoteados" em corrida pela vacina

Diretor da OMS alerta que os pobres podem ser "pisoteados" em corrida pela vacina - Reuters
Diretor da OMS alerta que os pobres podem ser "pisoteados" em corrida pela vacina Imagem: Reuters

04/12/2020 15h08

O diretor da Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou hoje que os pobres correm o risco de serem "pisoteados" na corrida dos países ricos por uma vacina contra a covid-19, e disse que ela deve ser um bem público.

Em uma cúpula virtual da ONU sobre a pandemia do coronavírus, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que o mundo está vendo "a luz no fim do túnel" na crise da covid-19 que já dura quase um ano.

"Mas deixe-me ser claro. Simplesmente não podemos aceitar um mundo no qual os pobres e marginalizados sejam pisoteados pelos ricos e poderosos na corrida pelas vacinas", ressaltou Tedros.

"Esta é uma crise global e as soluções devem ser compartilhadas equitativamente como bens públicos globais. Não como matérias-primas privadas que aumentam as desigualdades e se tornam mais um motivo pelo qual algumas pessoas são deixadas para trás", acrescentou.

O diretor da OMS também alertou que o mundo tem muitos outros desafios. "Não existe vacina contra a pobreza, não existe vacina contra a fome. Não existe vacina contra a desigualdade. Não existe vacina contra as mudanças climáticas", afirmou.

O Reino Unido se tornou a primeira nação ocidental a aprovar uma vacina contra a covid-19, e os Estados Unidos e outros países devem seguir em breve com campanhas massivas de vacinação.

A OMS criou a plataforma COVAX para garantir a distribuição equitativa da vacina em todo o mundo.

Os Estados Unidos resistem e não fazem parte dela. O presidente Donald Trump atacou Tedros e anunciou que o país deixará a OMS, embora o presidente eleito Joe Biden já tenha dito que não será o caso.

Tedros, um médico e diplomata etíope, elogiou os países por fornecerem vacinas, testes e tratamentos gratuitos para a doença, mas questionou o motivo de não haver esforços semelhantes com outras doenças já existentes, como câncer, tuberculose ou HIV/AIDS, ou para necessidades como cuidados maternos.

"A pandemia apenas ressaltou por que a cobertura universal de saúde é tão importante", finalizou.

Coronavírus