PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

EUA têm 7ª noite de protesto pela morte de Daunte Wright com pedidos por reforma da polícia

17.abr.2021 - Manifestantes protestam pela sétima noite contra a morte de Daunte Wright, em Brooklyn Center, EUA - Chandan Khanna/AFP
17.abr.2021 - Manifestantes protestam pela sétima noite contra a morte de Daunte Wright, em Brooklyn Center, EUA Imagem: Chandan Khanna/AFP

Em Brooklyn Center (EUA)

18/04/2021 12h50

A congressista americana Maxine Waters pediu uma reforma da força policial do país após se juntar aos protestos que pela sétima noite consecutiva ocupam um subúrbio de Minneapolis pela morte de Daunte Wright, um jovem negro morto a tiros por uma policial branca.

O jovem de 20 anos morreu durante o que deveria ter sido uma blitz de trânsito de rotina, gerando mais protestos contra a "brutalidade policial" e a "injustiça racial".

"A polícia precisa mudar", disse Waters, presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, ontem, pouco antes do toque de recolher, às 23h.

"Temos que repensar como podemos lidar com os problemas em nossa sociedade, como jovens e pessoas de cor em particular serem mortos pela polícia que pagamos para nos proteger e servir."

Waters, um democrata da Califórnia, falou para quase 300 pessoas perto da delegacia de polícia do Brooklyn Center.

Manifestantes se reuniram todas as noites desde a morte de Wright em um bairro a cerca de 16 quilômetros ao norte de Minneapolis.

Ao contrário da noite de sexta-feira, quando a polícia se mobilizou para dispersar o protesto e prendeu pelo menos 100 pessoas, incluindo alguns jornalistas, não houve incidentes na reunião de ontem.

Os manifestantes se reuniram perto da cerca de arame ao redor da delegacia de polícia entoando gritos contra a polícia e agitando bandeiras "Black Lives Matter".

"Estou aqui porque estamos cansados da brutalidade policial. Estamos cansados de ver negros desarmados perderem suas vidas sem motivo", disse Joel Reeves à AFP.

Wright morreu após ser baleado várias vezes em seu carro depois que a policial Kim Potter confundiu sua Taser com sua arma durante um controle de tráfego, de acordo com o vídeo gravado pela câmera que os agentes carregam no corpo.

Potter foi presa na quarta-feira por acusações de homicídio culposo e pode pegar até 10 anos de prisão.

Julgamento de Chauvin

Na noite anterior, jornalistas que cobriam o protesto disseram que a polícia impediu seu trabalho e usou spray de pimenta contra alguns membros da mídia que se identificaram como tal.

Os ataques ocorreram apesar da assinatura de uma ordem pela juíza distrital Wilhelmina Wright de proibir temporariamente a polícia de prender jornalistas e usar armas não letais, cassetetes e produtos químicos como spray de pimenta.

O governador de Minnesota, Tim Walz, disse que se encontrou com jornalistas e autoridades policiais ontem.

"Uma imprensa livre é fundamental para nossa democracia", ele tuitou.

"Eu convoquei uma reunião hoje com a mídia e agências de aplicação da lei para determinar a melhor maneira de proteger os jornalistas que cobrem distúrbios civis."

As alegações finais das partes no julgamento de Derek Chauvin, o ex-policial branco acusado de matar o afrodescendente George Floyd em Minneapolis no ano passado, devem ser apresentadas a partir de amanhã.

Desde o caso Floyd, houve novos casos de mortes de cidadãos nas mãos da polícia, como o de Wright, que aconteceu perto do tribunal, alimentando ainda mais a revolta e os protestos.

Internacional